Total de visualizações de página

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

CHICO MORBECK DEBATE: PERDÃO PSOL E PSB: NÃO BASTA LUTAR CONTRA O AUTORITARISMO PARA NÃO SER AUTORITÁRIO


Fiquei até surpreso ao ler um artigo do professor Francisco Morbeck! A quem eu conheci militando no PT. Surpreso, mas não decepcionado...

Gostei da postura do Chico Morbeck. Reconhecendo o autoritarismo do Senador do PSOL e do PSB que, barrou o Deputado Jair Bolsonaro (PP).

Mas, mesmo sem querer demandar com essa gente, divergir-se em um ponto, já é o suficiente para eles lançarem sobre nós a peja de “viúva da ditadura” e de “manipulado pela mídia golpista”.

Esses radicais do PSOL, e, alguns radicais do PT que ficam por detrás, desses 'homens bombas', perfeitos antagônicos para polarizar as questões e fazer o espetáculo, tornaram-se iguais ao Bolsonaro, por causa das suas posturas antidemocrática, a diferença é que o Bolsonaro é mais honesto do que esses esquerdistas autoritários.

O deputado é capitão do exército, declara-se de direita, apoia os militares com um discurso de saudades da ditadura e não eles. Por isso é coerente e tem posturas claras.

Enquanto a intolerância e o autoritarismo que parte da “esquerda democrática” demonstra, desde outros episódios, mas, principalmente nesse, ao barrar um Deputado, impedi-lo de entrar num quartel e se atracar corporalmente com ele. Barrá-lo?! Com o uso da força?! Mesmo porque a Deputada Jandira que não faz parte da Comissão não foi barrada, porque é "camarada", "companheira".

Então foi dado tratamento diferenciado, isso tem todo requinte de autoritarismo. Quem quiser defender a democracia e a liberdade cerceando o direito do outro à liberdade e ao exercício do que lhe é permitido pela Lei, não sendo condescendente com os seus opositores, é ditador e autoritário. 

Anatote Lopes

Para o Artigo do Chico Morbeck:


CHICO MORBECK DEBATE: PERDÃO PSOL E PSB: NÃO BASTA LUTAR CONTRA O AUTORI...: De que vale trocar um autoritário por outro? Sem um só voto do povo, o ditador Geisel passa a faixa presidencial para o ditador Figuei...

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

A FILHA PRÓDIGA

Caim foi um homem invejoso e o primeiro homicida, ele não teve no seu interior uma disposição de adorar e servir a Deus, mas não curtiu que seu irmão Abel se saísse tão bem quando fez a sua oferenda. (Gênesis 4.1-16).

Embora não tivesse uma motivação adequada ao ofertar nem um critério que priorizasse o Criador, não se conformou com o bem sucedido sacrifício do irmão. Decidiu matar o inocente Abel e fugiu deixando um rastro de tristeza e de sangue por onde passou.

A vaidade leva um jovem a abandonar a sua família por causa da sensação e da aparência de liberdade, independência e poder; principalmente aos olhos dos amigos. Mais do que amor e prazer, o sexo envolve liberdade, poder e popularidade; este jovem vaidoso precisa coroar sua glória com um troféu: uma namorada.

Segue ostentando e usufruindo dos prazeres do pecado, em nome de uma nova cultura de liberalidade e hedonismo, regada a álcool e não raro, à excitação de outras drogas que, normalmente terminam em mortes, crimes horrendos contra a vida, como o suicídio e a prática do aborto.

Essa Jovem aceita o convite inconveniente do namorado para o sexo antes do casamento por considerar que ele seja bonito e rico. Depois vai morar com ele.

Não raro a consequência de um caminho errado que se entra é terrível. As consequências se acumulam; no caso do rapaz, um endividamento em consequência dos seus pecados e de um passo largo demais em busca de sua independência. Agora se vê forçado a voltar para a casa de seus pais humilhado, sem lhe ocorrer que não está sozinho.

Voltar atrás nem sempre é possível, mas na Bíblia temos um caso semelhante narrado por Jesus conhecido como FILHO PRÓDIGO. (Lucas 15.25-30).

Nesta hipótese a jovem que, gosta de se vestir bem e tem o sonho de se formar, de repente, está grávida e o “príncipe” fugiu, e, agora, a nossa jovem terá que deixar a faculdade para trabalhar e tentar sobreviver. Mas como? O patrão descobre que ela está grávida e nem assina o contrato. Ela volta para casa.

Essas loucuras passam mesmo pela cabeça de quem entrou por sua própria vontade no caminho da vaidade. O aborto é uma alternativa, mas é pecado, um crime horrível contra Deus; então, pensa em suicídio; que desatino! Também é pecado, segundo as Escrituras; mas, nossa jovem iludida, decide então contar aos pais a verdade, temendo ser expulsa de casa. Mas, recebe uma reação totalmente diferente; os pais a abraçam e perdoam; dizem que estão contentes em tê-la de volta, e que vão amar e cuidar dela e do neto que vai nascer.

A vaidade trás consequências, e, ameaçam a vida. A vaidade levou a jovem em busca do problema, mas os pais dela agem sem vaidade, não se importam com o que dirão os vizinhos, os irmãos da igreja, o que mais importa é que nenhuma vida se perca e não se abandona uma filha, muito menos se desprezaria uma filha grávida.

Coisas de coração de pai e de mãe saudável, cheios do amor e do perdão de Deus.

Vaidade? Tudo é vaidade. A vaidade e a ilusão são muito parecidas, estas palavras podem até serem sinônimas. Corre-se atrás de uma ilusão como uma pessoa louca que corre atrás do vento! (Eclesiastes 1.14), É a vaidade que faz homens e mulheres se iludirem e procurarem a felicidade nas coisas que não tem importância, em coisas fúteis, ou em coisas imorais e pervertidas. (Eclesiastes).

Grande vaidade é o prazer pelo prazer e o prazer de exibir sua privacidade; pessoas sensatas não expõem suas intimidades, pois são recatadas; mas, as pessoas insensatas expõem o tempo todo a sua imoralidade e perversidade em público nas redes sociais sem qualquer recato ou cautela para seduzir as pessoas incautas. Porque são loucamente vaidosas e não são boas diante de Deus. (Capítulo 7.26).

As pessoas vaidosas rapidamente se esquecem do quanto eram felizes, desprezam a verdadeira felicidade que, algumas delas, já usufruíram na igreja e na família e saem em busca de prazeres passageiros, desprezam valores e princípios eternos, revelados por Deus, pois a vaidade, a mais louca ilusão, faz as pessoas trocarem o que é eterno pelo que é efêmero.

Pela fé em Jesus Cristo contemplamos uma vida plena de justiça, paz e alegria no Espírito Santo (Romanos 14.17); novos valores e novos sentidos à vida humana; além das coisas materiais, das diversões e dos prazeres sexuais desfrutados de forma lícita e ordenados.

Pela fé temos vida abundante, preciosa e eterna, em Jesus, temos a benção de uma vida, desde já, plena e santa. (João 10.11).

A presença de Jesus em seu coração, realmente te capacita a confessar os seus pecados, sem racionalizar com o padrão mundano e o engano do diabo que sugere a morte e a escravidão (I Coríntios 15.10); para olhar para as coisas do mundo e enxergar um leque de possibilidades à luz da Palavra de Deus, compreendendo que, tudo que somos, temos e fazemos em Deus é bom, fora de Deus, tudo é vaidade e ilusão, para discernir o que é passageiro e o que é eterno, o que edifica e o que não edifica; o que é impuro e o que é puro. (Gálatas 4.6; Tito 1.15). A presença de Jesus é a Salvação que Ele nos comprou com a sua própria morte na cruz, o verdadeiro Caminho, a Verdade e a Vida plena em Jesus Cristo. (João 14.6). 


Anatote Lopes, IPB, 2013

terça-feira, 10 de setembro de 2013

A SUFICIENTE LIBERDADE DO CRISTIANISMO


Nenhuma liderança humana tem fornecido a credibilidade que Jesus Cristo tem para ser o nosso referencial perfeito da perfeita doutrina para a nossa vida e esperança.

Não escrevo hoje, para expor a sua obra de salvação, pelo seu próprio sacrifício, remindo e reconciliando com Deus a todo aquele que Nele crer, nem discorrerei sobre sua ressurreição e o seu Reino dentro de nós e o vindouro, mas, desejo abrir os olhos para a história, para encontrar os verdadeiros heróis esquecidos da causa dos oprimidos.

Estes heróis são os cristãos do Novo Testamento, os heróis dos últimos dois mil anos. A maioria deles imitou ao seu Senhor e terminou as suas vidas no martírio. A maioria deles excluídos dos círculos acadêmico, científico e político, não raro, até dos círculos eclesiásticos.

Os Cristãos verdadeiros, sal da terra e luz do mundo, foram os grandes transformadores e reformadores da sociedade corrompida desde os tempos do Império Romano. Não significa que um homem por ser cristão não pode nos decepcionar, mas se nos decepcionar manchará a própria reputação, sendo incoerente com Cristo e seu Cristianismo. Romanos 14.17-18 afirma: “Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. Aquele que deste modo serve a Cristo é agradável a Deus e aprovado pelos homens.”; pois Cristo permanece intacto, perfeito, e o cristianismo perfeita doutrina moral, social e teológica.

A fonte de autoridade da verdadeira doutrina está fundamentada na perfeita, santa e infalível Escritura que, nos assegura que não ficarão impunes os malfeitores, quando Jesus Cristo voltar no céu assim como subiu, conforme testemunharam mais de quinhentas pessoas (I Coríntios 15.6), Ele haverá de destruir todo principado, bem como toda potestade e poder. (I Coríntios 15.24).

Não pertençamos a nenhuma outra doutrina ou partido, pois apenas uma é perfeita e tem o seu mentor, perfeito, o messias e salvador.

Na história alguns estudiosos situam Cristo e seus discípulos, chamados de Cristão (pequenos cristos) isto é, os quais se parecem com o Cristo, e, militam pela causa do pobre e pelos direitos humanos, como se entende hoje, como “progressistas”, porém, muitos pertenciam ao reduto conservador do cristianismo histórico, posteriormente dos grupos protestantes, depois dos puritanos e de outros movimentos, numa grande diversidade de comunidades com ênfases distintas e um Evangelho em comum: O Evangelho de Jesus Cristo, conforme anunciado em todas as Santas Escrituras.

Os cristãos não se acham em uma igreja sempre optante da opressão e exploração do homem pelo homem, aliado aos dominantes, como sugerem os esquerdistas, os liberais e os ateístas. Este é um discurso ignorante, eu mesmo já acreditei nessa mentira. Mas, na verdade, foram os cristãos, especialmente os pastores, os conquistadores da nossa liberdade e dos maiores avanços nas relações de trabalho.

Foram os cristãos calvinistas os construtores da democracia moderna na Europa e na América. Mas, será que foi somente no passado? Posso dizer que os verdadeiros cristãos continuam sendo o sal da terra e a luz do mundo hoje, impedindo que tudo se corrompa e todo o mundo esteja em trevas.

Embora os esquerdistas comunistas, socialistas, liberais e ateístas tentem transformar os pastores conservadores em monstros, deixando de fazer jus à história, mesmo que não tenhamos os melhores representantes de Cristo e de sua Doutrina, é inegável que os cristãos estejam, por exemplo, entre os maiores abolicionistas.

A abolição da escravidão no Brasil foi a ultima do mundo a ser decretada. Deve-se a luta liderada pelo pastor e parlamentar inglês, o Rev. Willian Wilberforce; quem conseguiu quebrar o mercado escravagista e aprovar a primeira abolição, abrindo o caminho para todas as outras.

A educação e a política jesuíta e posteriormente uma elite política esquerdista, liberal e ateísta nos escondeu toda a verdadeira história. Com toda a nossa ignorância histórica, os fatos continuam verificáveis historicamente, mesmo no presente, um pastor e deputado paulista é o autor da mais alta punição do mundo contra a escravidão, desde a abolição da escravatura.

Quando a Princesa Isabel escreveu a Lei Áurea, a escravidão negra já não compensava aos senhores de escravos, graças às reformas profundas na sociedade europeia influenciada pelo cristianismo reformado abolicionista. Era da Europa quem vinham às pressões maçônicas em conflito com a Igreja Católica Apostólica Romana aliada da monarquia decadente e escravagista representada pela Princesa constrangida a assinar a Lei Áurea.

A escravidão infelizmente continuou em muitos rincões da pátria e do mundo até os dias de hoje. Depois de mais de cem anos de sua abolição ainda existe escravidão no Brasil. Hoje a escravidão ainda é legalizada na Mauritânia; ocorre em todos os continentes, às vezes veladamente. A escravidão ocorre amplamente no mundo, principalmente na Ásia.

A liberdade que Cristo veio trazer ao mundo, conforme expressa as Escrituras em Mateus 1.21 é espiritual, pois “ele salvará o seu povo dos pecados deles.”. Mas, a escravidão no mundo também é fruto da dominação do pecado, pois escravizar é pecado. Assim a libertação da escravidão do mundo começa com a libertação espiritual.

Temos no pecado a origem de todo mal no mundo. Por isso a pregação autentica do Evangelho, consiste em chamar os pecadores ao arrependimento para entrar no Reino de Jesus Cristo. (Mateus 4.17). A Salvação e a Eternidade são promessas a todos os que crerem no Evangelho de Cristo, mas esta libertação prometida é uma realidade que pode ser experimentada individualmente como em todas as relações humanas por todos quantos o receberem: “se, pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” (João 8.36).

Não há nada mais salvador, libertador, revolucionário e transformador do que o Evangelho de Jesus Cristo. A diversidade da esquerda democrática que assumiu a liderança política está dividida historicamente em uma quantidade enorme de partidos, mas nenhum idôneo, puro e coeso. Falta-lhes um referencial absoluto para que sirva de instrumento de unidade e de norma infalível. Isso só serve para nos provar que apenas um “líder” em toda história é o perfeito referencial da verdade e da Justiça e tem a doutrina perfeita: JESUS CRISTO E O CRISTIANISMO PURO E VERDADEIRO CONFORME APRESENTADO NA SANTA ESCRITURA.



Anatote Lopes, IPB, 2013

quinta-feira, 5 de setembro de 2013