Total de visualizações de página

quinta-feira, 15 de julho de 2010

FAÇA-SE A TUA VONTADE

“venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;”

Mateus 6.10

Santo e Soberano Deus! Na Tua presença, pedimos que o Senhor nos ajude a compreender a Tua Palavra. Pedimos que o Senhor nos faça lembrar de tudo aquilo que o Senhor já nos tem ensinado para que, falemos e ouçamos o que o Senhor quer dizer a cada um de nós segundo as nossas necessidades, e, nos instrua para o crescimento na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. Obrigado ó Deus! Porque em nosso tempo o Senhor já tem revelado mistérios ocultos desde antes da fundação do mundo, nós temos recebido então a Sua Palavra e o Senhor faz de muitos de nós, despenseiros da sua graça quando anunciamos o Evangelho de Cristo. Em nome de Jesus, amém.

Vamos abrir as nossas Bíblias no Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo segundo Mateus 6.10. Diz a Palavra do Senhor:

“venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;”

Nesta quarta-feira estive ministrando sobre a “Oração do Pai Nosso” e surgiu a seguinte pergunta: Todos podem orar a oração que o Senhor Jesus ensinou, a "Oração do Senhor" ou "o Pai Nosso"? A minha reposta é:

Não.

Nem todos podem.

Alguns não devem orar esta oração.

Devem fazer a oração do Pai Nosso àqueles que querem e que estejam dispostos a viver o compromisso e a ética propóstos na Oração do Pai Nosso em todos os termos desta oração.

Hoje meditaremos sobre este versículo de Mateus 6.10 que é parte da oração do Pai Nosso, e, aqueles que oram com o coração e a mente cativos em Cristo Jesus devem orar, e aqueles que não têm a mente e o coração cativos em nosso Senhor Jesus, não tendo o interesse de viver o que a Oração do Pai Nosso diz não devem repetir estas palavras de forma irresponsável, formal ou formalista, isto é, sem o compromisso de viver.

E quando a Palavra do Senhor diz então: “venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;” eu quero destacar a expressão: “assim na terra como no céu;” que nos leva a meditar neste tema: “assim na terra como no céu”: uma batalha que se trava no mundo e nas regiões celestiais.

Talvez você nunca ouvisse um sermão sobre guerra espiritual na Oração Dominical! Quando se fala em guerra espiritual se pensa muito em oração, e, hoje em dia muitos tipos de orações surgem como “oração forte”, “oração de guerra”, oração disso e daquilo vão surgindo por ai. Alguns modelos e práticas de orações diferenciadas nos são apresentadas por diversos movimentos de guerra espiritual, ou movimentos voltados a essa ênfase na oração. Mas, espera-se uma prédiga sobre batalha espiritual numa oração recitada nas liturgias das igrejas históricas?

É claro que nós entramos nessa guerra espiritual através da instrumentalidade da oração, a oração é um instrumento da nossa comunhão com Deus e ela também é um instrumento de guerra espiritual, então “venha o teu reino” é uma expressão que nos trás a possibilidade de duas dimensões do reino espiritual, a dimensão visível e a dimensão invisível.

Na dimensão visível do reino de Deus existe aquilo ao qual vemos e o que nós fazemos e o que Deus faz por nós, e, também a vontade de Deus cumprida no desdobramento da historia, e, esse é o desejo de quem hora a Oração Dominical, ele não quer que a sua vontade seja feita, mas que Deus faça conforme a Sua vontade ele ora assim: “faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;”, na dimensão visível e invisível, no  mundo e nas regiões celestiais, o desejo de quem ora e deve orar esta oração de falto é que, na dimensão do visível, aqui na terra, à vontade Deus prevaleça, e não os nossos caprichos, interesses e vontades. E a dimensão invisível deste “venha o teu reino” é aquilo que nós não vemos, mas Deus esta fazendo apesar de nós. Deus está fazendo na vida de quem nós conhecemos e de quem nós não conhecemos como nós não queremos e nem imaginamos, mas Deus está fazendo, na dimensão invisível Deus esta trabalhando, e por trás daqueles que trabalham, de pessoas tão imperfeitas e inesperadas, mas instrumentos da graça e da misericórdia de Deus. Por trás daqueles que trabalham neste mundo em o nome do Senhor Jesus Cristo, ou não, prevalece a vontade de Deus como no Céu. Assim na terra como no céu...

Vamos pensar então nesta dimensão espiritual do Reino de Deus.

Quero lembrar aos irmãos a questão do tempo de Deus (kairós) que, não é o nosso tempo. Nesse tempo nós esperamos que as coisas acontecessem. Cada um espera que as coisas aconteçam no tempo que deseja, mas não é bem assim que acontecem.

No nosso tempo parece que as coisas demoram, não era para ser assim a nossa visão como crentes no Senhor Jesus Cristo que sabemos que cem anos nessa terra não são nada se comparados a uma eternidade de dias. Mas o tempo de Deus é o tempo sempre presente, o Senhor vê o passado o presente e o futuro em um ponto, mas nós estamos presos no tempo histórico que nós chamamos krônos, e, corrigir o presente é algo muito difícil, eu considero impossível corrigir o presente, ou voltar no passado ou  ir direto para o futuro como nos filmes Exterminador do Futuro e Djavu, mas nós podemos corrigir no futuro os erros do passado, assim, quem não tem passado não tem futuro, isto é, não vejo futuro nas coisas que são feitas sem uma avaliação do processo histórico. A nação que não faz continuamente uma avaliação do processo histórico, dos erros do passado, das injustiças cometidas, o povo que não olha para o passado e não faz uma avaliação dos erros e das injustiças do passado tendem a cometer no presente as mesmas injustiças e erros do passado. Uma máxima de biblioteca e de professor de história é que “o povo que não conhece a sua história tende a repeti-la.” Isso é bem verdade.

Por isso o homem precisa estar consciente do que esta acontecendo ao seu redor.  Karl Barth dizia que o pastor deveria ter uma Bíblia numa mão e um jornal na outra.

Quando se fala em guardar-se incontaminado do mundo eu acendo um sinal vermelho para o risco de transformarmos nossa casa num convento e nos isolarmos do mundo, ou transformarmos a própria igreja num convento nos isolando do mundo, nos julgando santos demais e bons demais para andar com os outros homens, cometendo os erros que a igreja comete desde muito tempo, isso é muito forte no período medieval, mas até hoje têm muitos monges e monjas por ai, vivendo em conventos (estou me referindo aos protestantes e algumas igrejas, não aos que vivem no monasticismo); isso é um perigo.

Como Deus age por trás da história? E como nós devemos agir na história?

Este é um grande desafio para a igreja que está no mundo, e, nós temos que continuar no mundo a nossa militância como igreja de Jesus Cristo. Nós não podemos esperar a volta de Cristo apena esperando a volta de Cristo. Um dos assuntos que vamos tratar aqui é como nós devemos esperar a volta de Cristo.

Muita gente fala assim: “Ah! Que Cristo volte logo!” Para fugir dos seus próprios problemas. Será que é assim que Deus quer que esperemos a volta do nosso Senhor. Muitos desejam a volta de Cristo por estarem cansados e desanimados. Será que é assim que devemos esperar a Sua volta?

Como Deus age na história e como nós devemos agir na história?

Vamos pensar então nessa máxima da oração dominical: “Venha o teu reino”, nessa dimensão visível.

“venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;”

E também Mateus 28:20 “ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou convosco todos os dias até a consumação do século.”

Então, quando nós oramos “venha o teu reino”, nós não desejamos a morte, nós não desejamos como muitos cristãos pré-milenistas e dispensacionalistas desejam, um arrebatamento da igreja antes que ela venha passar por tribulações nesta terra. Nós não temos o desejo de uma fuga de nossas responsabilidades, de nossos deveres, de nossas lutas, de nossos desafios, para aguardarmos a presença de nosso Senhor Jesus Cristo.

A presença de nosso Senhor Jesus Cristo deve ser clamada, invocada, pedida nesta oração hoje, para hoje. Nós não pedimos que “venha o teu Reino”, num tempo futuro, na era vindoura, no dia da ressurreição ou quando nós morrermos. Não é isso que a oração dominical nos ensina em “venha o teu reino”, e sim que o Senhor Jesus está conosco hoje.

É possível vivermos a realidade da presença de Deus se cremos em Deus, se o recebemos como Senhor, então aquilo que vemos e o que Deus faz por meio de nós é a vontade de Deus que nós oramos pedindo na Oração Dominical, quando dizemos “faça-se a sua vontade” aqui na terra.

Se você deseja que a vontade de Deus seja feita aqui na terra, você precisa orar a Oração Dominical com o coração disposto a obedecer à ordem de nosso Senhor, você deve fazer esta oração disposto e disposta a ser obediente. Você não deve orar “faça-se a tua vontade” se você não deseja a vontade de Deus para a sua vida. Se a vontade de Deus é algo do qual você quer fugir, talvez até através da morte ou de um arrebatamento ou de uma abdução extraterrestre, qualquer coisa... De uma alienação ou de um isolamento frenético de ascetismo religioso, por que você não quer a vontade de Deus.

Faça-se a vontade de Deus aqui na terra... Quando você ora isso, você está se comprometendo com a vontade de Deus, aquilo que Deus quer que você faça.

Como deve viver a igreja que deseja o Reino de Deus e a sua implantação e que ora o Pai Nosso, sem hipocrisia, mas compromisso com a vontade de Deus.

“Primeiro de tudo, devemos começar conosco mesmo e com as nossas famílias. A família deve ser fortalecida em sua vida religiosa e econômica, e em suas responsabilidades para com cada membro. Os filhos têm o dever de sustentar e cuidar dos seus pais, e manter uma forte ligação religiosa e econômica com eles.

Segundo, a igreja, antes de ser uma instituição e corporação legal, é a família de Deus. Isso significa a necessidade de cuidar uns dos outros. O diaconato, e o cuidado pelas viúvas, precisam ser revividos para ministrar às necessidades do povo de Cristo, material e espiritualmente, Não existe uma congregação sem membros idosos que precisam de alguém para fazer suas compras, limpar sua casa, cuidar de certos deveres, e muito mais. É farisaísmo enviar dinheiro ao exterior para cuidar dos necessitados – um ato impessoal –, e negligenciar o ato pessoal e responsável da casa. Ajudar alguém próximo significa um envolvimento continuo dores de coluna e de coração; mas isso é o que envolve qualquer trabalho. A igreja deveria ministrar à fome e sede espiritual e material, dos seus membros.

Terceiro, escolas, universidades, institutos e centros de treinamento cristãos são de necessidade urgente. Igreja ou pais que não se importam com o fato de seus filhos receberem uma educação sem Deus é marca de apostasia.

Quarto, a ação política cristã é necessária, com o objetivo de fazer do Estado novamente um Estado cristão, e ter suas ações conformadas à lei de Deus.

Quinto, as organizações cristãs profissionais são urgentemente necessárias. Médicos, advogados, e outros profissionais cristãos devem criar suas próprias agências profissionais para promover uma visão teologicamente sadia, não pietista, de suas profissões. Isso significa também hospitais cristãos, pensões, asilos para aqueles que não têm família, e muito, muito mais.

Isso significa sexto, estudar todo tipo de chamado a partir da perspectiva da fé e lei bíblica. O que constitui um agricultor cristão? Quão importantes são os vendedores comerciantes, corretores de imóveis, empresários e qualquer outro trabalhador na reconstrução piedosa?

Isso significa sétimo, que a ciência deve ser vista como tudo o mais como uma área de chamado, na qual o conhecimento e o domínio sob Deus deve ser promovido.

Depois, é suficiente dizer que o básico para todas essas atividades – saúde, educação, bem-estar, política, economia, família, igreja, nossas vocações, e assim por diante – é a necessidade de dizimar, de modo que a obra da reconstrução possa ser acelerada." O dízimo é do Senhor e não da Lei ou da Igreja... Por isso é um ato voluntário e da graça, assim com ofertar. 

“Finalmente, outra área deve ser mencionada: a oração. A primeira petição da Oração do Senhor diz: “venha o teu reino; faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu;” Essa deve ser a nossa oração e também o nosso chamado.”(Rushdoony, 2008)

Se esse não for o seu trabalho não faca essa oração!

Vamos pensar agora nessa dimensão do invisível. “Venha o teu reino”.

Aquilo que não vemos mais que Deus está fazendo apesar de nós.
 
Efésios 1.3, no contexto do ensino sobre a predestinação, há alguma coisa muito interessante para a aplicação nesta reflexão de hoje. Diz: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo,”  E, Apocalipse 17.8: “a besta que viste, era e não é, está para emergir do abismo e caminha para a destruição. E aqueles que habitam sobre a terra, cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida desde a fundação do mundo, se admirarão, vendo a besta que era e não é, mas aparecerá.” E, também 13.8 “e adorá-la-ão todos os que habitam sobre a terra, aqueles cujos nomes não foram escritos no Livro da Vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.”

Estes textos nos situam completamente fora do tempo e do espaço da dimensão do visiível para o invisível... Quando Cristo na cruz disse “está consumado”, ele acabou de vencer uma batalha espiritual, a batalha da cruz. Existe um cronograma do conflito na historia e uma batalha nas regiões celestiais... Mateus 27.33-56 faz a narrativa da batalha da cruz, a qual é um momento máximo, a plenitude dos tempos, mas eu quero voltar um pouco mais, para o momento em que nós encontramos o Senhor Jesus sendo apresentado como aquele que viria para essa guerra espiritual e vence esta guerra espiritual nas regiões celestiais, mas essa batalha é vencida num lugar na terra, o Golgotá ou Calvário, ou seja o lugar da caveira, onde o Senhor Jesus Cristo venceu a morte e o inferno na cruz.

Vamos pensar de novo, quando ele foi apresentado, o próprio Deus o apresentou dizendo: “este é o meu filho”. Em Mateus 3.17. “E eis uma voz dos céus, que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo.” Mas, como João o apresentou? “eis o cordeiro de Deus”. João 1:29 “No dia seguinte, viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” E João 1:36 “e, vendo Jesus passar, disse: Eis o Cordeiro de Deus!” Desde então o Senhor Jesus tem que travar conflitos espirituais no deserto. Foi o inicio dos conflitos. Foram muitos conflitos e traição, até a vitória. Uma vitória que era uma aparente derrota. Por que ele foi visto sangrar. Quem não consegue imaginar, pode assistir ao filme e ter uma idéia dos sofrimentos físicos do salvador. As narrativas dos evangelhos comprovam que foi de fato penosa a morte de nosso Senhor, e, ele foi visto ali como um fracassado, mas em sua morte ele venceu o ultimo inimigo. A vitória do nosso Senhor Jesus foi uma aparente derrota, os nossos inimigos desejam matá-lo, para eliminar o nosso salvador e impedir a nossa salvação, a qual ele realizava nas regiões celestiais.

A batalha esta ganha, Jesus irrompe como uma explosão atômica os limites do espiritual e do físico, das dimensões, dos tempos e dos espaços, acontecem treva e terremotos, o véu do templo se rasga e ocorrem ressurreições neste dia. No entanto...

Nós vivemos negligentemente brincando de igreja, e, não sabemos que quando nos reunimos aqui, nos reunimos em Cristo Jesus; a batalha do calvário que é anunciada nos evangelhos, travada antes da fundação do mundo, no tempo de Deus, e hoje nos reunimos em nome de Jesus para celebrar esta vitória, e não nos damos conta disso...

Às vezes por causa da ignorância, insensatez e imaturidade espiritual deixar-se de gozar da vitória em Cristo. Jesus Cristo arromba as portas do hades, como Davi que levanta e exibe a cabeça de Golias (Amorese, 1994), Cristo também declara a vitória do cordeiro.

E nós nos reunimos em nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Enfim em Apocalipse 12.11-12 temos as fontes do poder que vence, e nós somos participantes desta vitória em nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, diz: “Eles, pois, o venceram por causa do sangue do Cordeiro e por causa da palavra do testemunho que deram e, mesmo em face da morte, não amaram a própria vida. Por isso, festejai, ó céus, e vós, os que neles habitais. Ai da terra e do mar, pois o diabo desceu até vós, cheio de grande cólera, sabendo que pouco tempo lhe resta.”

Quais são segundo esta Palavra as fontes do poder que vence? O sangue do Cordeiro e a palavra do testemunho. Quando nós falamos “faça-se a tua vontade assim na terra como no céu”, pensamos que no céu os anjos fazem a vontade de Deus. A Palavra de Deus diz que os anjos são ministros obedientes à ordem de Deus, e quando nós oramos que a vontade de Deus de fato se estabeleça aqui na terra, nós estamos dizendo que queremos atender a ordem de Deus aqui na terra como os anjos lhe obedecem no céu.

As fontes do poder que vence estão no sangue do cordeiro que foi morto! E, nós nos acovardamos diante das nossas dificuldades... Mas, a fonte do poder que vence tem o exemplo daqueles que testemunharam em face da própria morte, isso nos envergonha. O apelo hoje da Oração Dominical é uma ordem a viver e fazer a vontade de Deus, sabedores que a vontade de Deus prevalecerá; apenas você meu irmão e irmã que não se sujeita a vontade de Deus e que, pensa ter escolha, mas não tem escolha, sofrerá o dano da angustia de não estar no centro da sua vontade, da vontade soberana do poderoso Deus que executa os Seus desígnios. E até mesmo nós vimos que aqueles que adorarão a besta, desde os tempos eternos já não têm os seus nomes escritos no livro da vida, e salvos são aqueles que têm o seu nome escrito no livro da vida do cordeiro que foi morto antes da fundação do mundo.

É interessante ler o livro de apocalipse datar o evento da morte de Jesus Cristo ante da fundação do mundo, já que no tempo histórico, nós o situamos mais ou menos no ano 30 da era cristã. Isso evidencia que o sangue do senhor Jesus é suficiente para purificar aos eleitos, tanto os do período do velho, quanto os do período do novo testamento, por que espiritualmente a vitória ocorreu antes da fundação do mundo.

Então hoje discorremos sobre estas duas dimensões, e os irmãos puderam compreender e podem pedir a graça do Espírito Santo para experimentar estas bênçãos espirituais que residem nas regiões celestiais  em Cristo Jesus. Estas bênçãos podem ser gozadas em vários momentos em que nos reunimos, e, em que como igreja trabalhamos, oramos e vivemos a Palavra de nosso Senhor Jesus Cristo: “faça-se a tua vontade, assim na terra como no céu”.

Oremos...

Santo e soberano Deus, nos lhe damos graças por aqui nos reunirmos em Cristo Jesus, não vendo, contudo o que acontece neste momento nas regiões celestiais, mas confiamos que a sua vontade prevalecerá. Sejam os nossos corações e nossa dedicação para estar no centro da sua vontade, como instrumentos de sua graça e misericórdia, vivendo o evangelho que nós proclamamos quando oramos a oração que o nosso Senhor nos ensinou, e quando obedecemos à ordem de anunciar o evangelho, anelo dos anjos que lhe obedecem aos desígnios, mas que foi confiado a nós para que também nós sejamos obedientes como estes seus ministros são. Preguemos então o evangelho no poder do Espírito Santo. Como está escrito, o Senhor estará conosco e a sua presença é real! E nós não aguardamos a sua volta para que gozemos a sua presença, nós esperamos a sua volta obedecendo a sua Palavra em nome de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Amém.