Total de visualizações de página

sábado, 31 de dezembro de 2011

Blog da Igreja Presbiteriana de Dracena: Cantata Alegria - Canção de Natal

Blog da Igreja Presbiteriana de Dracena: Cantata Alegria - Canção de Natal

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Ano Novo: Mais arrependimento menos promessas! - Leia: Mateus 4.17

Mais um ano que passou! Um novo ano para viver. Será que temos na nossa retrospectiva 2011 uma lembrança que nos cause algum arrependimento?
Tivemos apenas alegrias em 2011? E, cumprimos todos os votos feitos no primeiro de janeiro de 2011? Haja vista que pessoas entraram 2011, fizeram votos e ficaram pelo caminho, em 2011 mesmo já deram as costas para os seus votos batismais. Outros passaram por tantos altos e baixos na fé que, tornaram-se tão imprevisíveis o quanto pouco confiável... Será que estão em “altos” ou em “baixos” agora?
Uma pergunta para cada um de nós que fizemos votos na ocasião de nosso batismo e profissão de fé, quanto promessas para 2011: O que fizemos com a mensagem que Jesus deixou para anunciarmos? Seguimos o exemplo do Mestre ou não somos, ou, nos esquecemos que somos seus discípulos?
Se você passou por muitas tribulações em 2011 ainda pode seguir o exemplo do Mestre que, depois que passou por tentações no deserto iniciou o seu ministério de pregação.
Ele começou a chamar as pessoas para o arrependimento. Este desafio que começou na Galiléia chegou a nós hoje, e continua valendo!
Deus quer que nos arrependamos dos pecados cometidos em 2011 e convertamos os nossos corações a Jesus Cristo. E não nos calemos, mas preguemos essa mensagem de amor, perdão e reconciliação com palavras e atitudes.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

O Milagre de Natal! – Domingo de Natal.

Leia: Mateus 1.23.


O verdadeiro Natal é um acontecimento tão sublime que, precisa ser lembrado todos os dias. Por ser tão especial precisamos de uma data para lembrá-lo, já que tudo o que mais importa, não deve ser esquecido. Por não ter nada no mundo que se compare a ele, nos vemos obrigado a escolher uma data, mesmo sabendo que não é a data do aniversário daquele que é Eterno, nem a data de Sua encarnação, mas é um dia especial, de grande festa! É Natal!
Celebramos a presença de Deus, Emanuel (Deus conosco), o qual se põe no nosso mundo, adota os nossos hábitos e aprende a nossa linguagem, partilha o nosso pão conosco e fala abertamente dele como sendo o pão vindo do céu.
Deus, por Ele, alcança a humanidade, concretiza o plano eterno de redenção. Vem ao mundo o Salvador nascido de mulher, tornou-se o filho de dona Maria e de seu José, sem teto, morador de rua da primeira noite de Natal; nasceu num abrigo de animais, estrangeiro e peregrino na cidade natal de seu pai, descendente de um trono derribado e esquecido. Ninguém cogitou sua linhagem real, senão estrangeiros, magos, os quais não o encontraram na corte do rei Herodes, onde se esperava segundo a lógica humana que nascesse o messias Rei dos Judeus!
Ele se achega humildemente, pede licença, tem o consentimento da humilde serva para fazer conforme a vontade daquele que o enviou, efetuada pelo Espírito Santo. Sua divindade é confirmada, não pelo sucesso da Sua empreitada aos olhos humanos, mas pela sua encarnação e humilhação.
Quem diria que o Senhor do universo vem com humildade, empenha-se em mostrar-se humano, obediente e temente a Deus. Comunica em paz sua mensagem de amor e perdão, ignorando os opositores, explicando o seu caráter e razão de existir e estar entre eles, por meio de linguagem simples em parábolas maravilhosas.
Deus Onisciente, Onipresente e Onipotente, Ele mesmo tinha que se fazer gente.
O curso da história nunca foi mudado por um homem louco e arrogante que se fez deus, mas por um Deus humilde e bom que se fez homem. O acontecimento do Natal mudou o curso da história. Deus abalou o mundo com um bebezinho, pequenino, frágil e dependente...
O Natal gera alegria porque é um evento extraordinário, admirável, maior que todos os milagres que alguém já te contou. Nunca maior será visto, e, jamais outro igual tornará a acontecer.
Deus se fez humano, gente pequena, pobre, peregrina, obediente e mansa, acolhendo sua missão e condição entre nós, semeando a semente da fé nos corações de todos os povos, raças, línguas, nações, condições sociais, sexos e idades, para crerem numa única e universal verdade, a Sua revelação, a revelação de Deus na pessoa de Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador! 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Pastoral para o 4º Domingo do Advento.


O Milagre de Natal!   
Leia: Mateus 4.18-25.




O natal está tão perto! A nossa esperança se renova, é uma realidade a sua presença, e a sua volta é quase uma realidade que, não dá para perder tempo! Nossos corações estão vivendo entre a realidade e a esperança!
A Luz do Mundo brilha sobre nós!
Cristo está tão perto! Muitos já O encontraram, outros ainda estão à procura... Cada um, a seu modo corre atrás das mais diversas tradições natalinas.
O evangelista (em Mateus 4.24) nos informa que as noticias a respeito dele se espalharam, e as pessoas o seguiam em busca de ajuda, um bocado de pão, peixe, milagres e palavras confortadoras e de esperança.
Mas, essa tranqüilidade no ministério de Jesus não durou muito tempo, pois, quando ele explicou o propósito, a verdade e a finalidade de sua vinda muitos seguidores de Jesus o abandonaram e não o acompanhavam mais (conforme João 6.66), foi o fim da fase romântica, do namoro, mas, o começo da relação da Igreja com o noivo.
Se tirássemos as compras, os presentes, as comidas e bebidas, o pinheirinho, as luzes e os enfeites, e deixássemos apenas a parte principal do Natal? Jesus... Você iria embora ou permaneceria com Ele?
Em Mateus 4.18-25, aqueles quatro discípulos abandonaram suas famílias, seus barcos e suas redes, deixaram tudo para seguir Jesus.
Não significa que temos que fazer isso hoje, abandonar nossos familiares e deixar de comemorar o Natal como tradicionalmente comemoramos, para seguir a Jesus. Mas, basta ter o que mais importa neste Natal, e, receber o verdadeiro Milagre de Natal: crer em Jesus Cristo que cura a doença do pecado!
Muitas pessoas comemoram ou participam de eventos de natal, recebem os benefícios do natal e retornam vazias, sem o verdadeiro presente, sem o Milagre de Natal. Nós que cremos na boa notícia do reino (como lemos em Mateus 4.23), podemos fazer a diferença.
Cristo habita entre nós como nos prometeu, pelo Espírito Santo! Manifestou sua humanidade e esteve encarnado, morreu e em seu corpo revestido de glória ressurgiu vencendo a morte e seu poder!
Que você não se distraia, e (ou) se ocupe tanto e esqueça-se de festejar, anunciar e vivenciar o Milagre de Natal; que você não perca de vista o que mais importa: seja um discípulo do Senhor Jesus, não se escandalize com o sentido do verdadeiro Natal, acolha esta boa notícia no seu coração, Jesus é o único e suficiente salvador, essa é a boa noticia do Natal! O Rei chegou!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Pastoral para o 3º Domingo do Advento.

Resplandeça esta luz! – Leia: João 5.30-47.


Quem prega esparge luz!
Quem acolhe a pregação em seu coração recebe luz para a salvação.
Crer na nossa pregação é crer em Deus e nas Escrituras, pois pregamos a Cristo, Emanuel, Deus conosco e a toda Escritura “pois toda Escritura é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver” (2 Timóteo 3.16)!
O profeta não procura agradar a homens, nem a si mesmo, mas procura ser fiel a Palavra de Deus a ele confiada. Obedece a Deus (30). 
Neste texto Jesus nos ensina que se você é bom, capacitado e justo, deixe que outros digam (32), pois quando o testemunho sobre nós vem de nós mesmos é duvidoso, por isso João vem dar testemunho dele, e o Pai dá testemunho dele também (31-32).
O profeta é luz quando o seu testemunho é verdadeiro e de Cristo. Ele é como uma lâmpada que arde e ilumina, incomodando as trevas e dissipando a escuridão. No primeiro momento se regozijaram da luz de sua Palavra e depois se aborreceram dela. A mesma experiência de João e de Cristo se repete antes e depois dele. Com freqüência o carisma dos profetas é atrativo, mas o conteúdo da profecia provoca fúria na mesma medida. Se a Cristo assim fizeram, sendo o seu testemunho maior do que o nosso, não devemos esperar que nos aceitasse, Cristo é maior do que João, nós somos menores ainda, mas, não é a nós que rejeitam, mas a Cristo (33-36).
Como temos nós matado os profetas nos nossos dias?
Desprezando a luz dos Profetas: a Palavra de Deus, odiando e invejando os dons da graça de Deus que não podem ser adquiridos pelo dinheiro, nem conquistados com bajulação.
O Pai dá testemunho do Filho. O desprezo pela Palavra de Deus é desprezo pelo Pai e não por Moisés e os profetas, Cristo e os apóstolos, e por todos os que pregam fielmente o Evangelho.
Examinais a Escritura! Exorta-nos o Senhor  (41-42). Ela é o testemunho de Cristo e fonte de vida.
A glória do homem se apagará, não é luz verdadeira, e, quem busca a glória do homem perecerá. Quando as pessoas buscam a gloria deste mundo, de si mesmo e de outros seres humanos, sinalizam que não tem o amor de Deus em seus corações, porque buscam é a glória dos homens (44).
Lembrem-se, rejeitaram a Cristo e também nos rejeitarão porque o que buscam é a própria glória. Desde a antiguidade se buscavam falsos profetas bajuladores e se desprezavam a verdadeira profecia, pois a Palavra de Deus acusa e incomoda a consciência dos homens, não crendo na Palavra rejeitarão os profetas como fizeram com João e com Jesus Cristo (45).
Mas, felizmente, os filhos da luz receberão a luz, e, serão iluminados.
Os que acolherem a Palavra se regozijarão com as promessas e aguardarão o Senhor com alegria e fé (46-47).
A leitura da Bíblia e a pregação fiél, com a ajuda do Espírito Santo nos revelam quem é Cristo, o Caminho, a Verdade e a Vida. Valorize os momentos de leitura e meditação na Palavra de Deus, individuais e coletivos, nos lares e no templo, nos estudos bíblicos, a escola dominical e os sermões dominicais. Apegue-se a Palavra de Deus, que é lâmpada para nos nossos pés e luz para os nossos caminhos.  



sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

RETROSPECTIVA PROJETO ESPERANÇA 2011. Exibido na Igreja Presbiteriana de Dracena

Projeto Esperança em Dracena: cantata projeto filme 2011

Projeto Esperança em Dracena: cantata projeto filme 2011

Pastoral para o 2º Domingo do Advento


Anuncie esta boa notícia!

Nós gostamos de receber boas notícias, mas, as más notícias são mais atraentes às pessoas ao que tudo indica! Afinal, uma má notícia numa rede social na internet agita e toma uma proporção incomparavelmente maior e numa velocidade impressionante! No Jornal da cidade também, as pessoas procuram pelas más notícias.
Eu não vou enumerar as más notícias, eu quero transmitir a melhor notícia entre todas as boas notícias: Jesus Cristo veio ao mundo para me salvar!
Esta é uma boa notícia para você também?
Pode não ser se você acreditou na mentira que o diabo contou. O diabo espalhou que Jesus não passaria de um homem bom, um líder e tal, apenas mais um, e que todas as religiões são boas.
Mas Ele diz de si mesmo: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim.” (João 14.6).  Se não fosse verdade Ele não seria bom e respeitável, mas é então acreditem nele!
Jesus é o Único!
Jesus é Suficiente!
Jesus é o Salvador!
O Único Caminho! Você pode dispensar todas as religiões e tradições e ficar somente com Jesus. Ele é suficiente.
Jesus Cristo é o único salvador, não há outro, e se você não crê nele está perdido! Pois Ele disse: “Quem, porém, não crer está condenado” (Marcos 16.16b).
Esta é a boa notícia: Jesus. Nasceu o Cristo, Jesus, cumpriu-se a promessa.
Ele foi prometido aos judeus, mas eles não o reconheceram, eles o tornaram uma má notícia para eles próprios, um escândalo: “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam” (João 1.11), por fim, isso não o impediu de cumprir a Sua promessa de salvar a todo o que nele crer “o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade” (I Timóteo 2.4). Jesus se tornou a fonte de Salvação Eterna para todos que lhe obedecerem, como está escrito: “tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem.” (Hebreus 5.9).
Seja Jesus Cristo uma boa notícia para você. Seja Ele a boa notícia proclamada pelos teus lábios hoje! Viva e anuncie a boa notícia (O Evangelho):  “Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura.” (Marcos 16.15).

Paul Washer - O que é Salvação (Em Dois Minutos)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Caio Fábio - Fala sobre sua condenação no caso Dossiê Cayman Em 30 11 20...



Não pretendo nem defendê-lo nem atacá-lo. O propósito desta postagem é reverberar o discurso do Rev. Caio Fábio, pois que fale ele de sua condenação. Repercutiu muito a sentença de 4 anos de prisão aplicada a um pastor.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Pastoral para o 1º Domingo do Advento.

 O SENHOR VEM! 

Hoje começa o Tempo de Natal, ou do Advento! Isso não tem nada haver com os adventistas! Eles são anti-natal.
É tempo de pensar no nascimento de Jesus e na sua encarnação no passado, no presente e no futuro; esse pensar é relembrar no lar, em família, decorando a sala com cores e luzes, falando do Menino que um dia foi deitado numa manjedoura, para quem não se achou hospedagem, o qual era o Rei dos Reis, Senhor dos Senhores de um Reino inaugural que, chegou espiritualmente, dentro de nossos corações e voltará no futuro em toda sua glória, majestade e poder. Então sujeitará a todos os homens, e confirmará os Seus eleitos e julgará os ímpios e os condenará com o diabo.
Mas, eu disse que isso é celebrado no lar, nosso segundo santuário, pois o primeiro é o nosso coração onde habita o Rei, isso não significa que estou aderindo o discurso dos desigrejados, nada nos impede de ir a Igreja, como popularmente chamamos o lugar que reunimos a comunidade de Fé em um templo ou salão alugado, ou seja, a Comunidade é o terceiro santuário, porém, todos que nos reunimos em Seu nome, nos reunimos em um Único Santuário e Templo que reúne todos os salvos (a Igreja), em nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
No Natal, lembramos que o Senhor já se manifestou em carne, cumprindo as promessas feitas aos profetas. A primeira vinda do nosso Senhor. Não importam as datações dos eventos, as festas semelhantes no paganismo ou a aculturação de costumes, importa proclamar a Cristo: O Senhor vem!
O Senhor vem hoje por meio de Sua Palavra e dos Sacramentos (Batismo e Santa Ceia), pois como podemos dizer que o recebemos como Rei em nossos corações se não cumprirmos o que ele mandou que fizéssemos em seu Nome: Pregar, crer, fazer discípulos, batizar e nos tornarmos discípulos, uma comunidade de discípulos batizados para celebrar a Ceia do Senhor em memória de Jesus Cristo até a Sua volta!
O Senhor vem, hoje. Como veio no tempo de seu nascimento.
Nós o acolhemos ou damos a ele um cocho de feno?
O recebemos como Rei ou o desprezamos?
No entanto, haverá uma segunda vinda, anunciada pelos missionários desde os tempos apostólicos. Esta acontecerá no futuro e requer uma preparação no presente, conforme Mateus 24.42: “Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia vem o nosso Senhor.”
A morte e o esquecimento já consumiram muitos reis e reinos, todos os reinos da terra passarão, mas o Senhor reinará eternamente, e, virá para reinar, e ninguém poderá impedir a vinda do nosso Senhor! Nem mesmo quem peleja para ofuscar o Natal e lançar no esquecimento o Salvador do Mundo!
É grande nos nossos dias a semelhança com os dias de Noé, estamos fartos de ouvir escárnios contra Jesus, Sua Palavra nunca foi tão atacada e os seus ministros tão difamados, e ainda, não faltam também entre eles falsos irmão militando contra a Igreja!
A maldade e a injustiça social também se multiplicam, por isso é necessária esta admoestação do Evangelho (Mt 24.42). Neste primeiro domingo do advento anunciamos que o Senhor, vem. Destacamos a importância da fé, pois só pela fé recebemos Jesus e vigiamos corretamente, confiadamente na sua Palavra que diz que Ele é o Senhor e Salvador. Ele vem hoje nos nossos corações, daqueles que o receberem e virá definitivamente no futuro, “Portanto, vigiai”.

 Rev. Anatote Lopes

sábado, 19 de novembro de 2011

Palavras de Vida Eterna


Palavras de Vida Eterna

Conhecemos esta passagem e todo o contexto de zombaria contra Jesus. Sepultado entre ladrões, sorteadas as suas roupas e muito escárnio! “Quando eles chegaram ao lugar que se chama calvário, ali o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita, o outro à esquerda. Contudo, Jesus dizia: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Então, repartindo as vestes dele, lançaram sortes.” (Lc 23.33, 34). Mas, neste texto, encontramos também o coração do Evangelho. A morte do Filho de Deus encarnado, Emanuel, Deus conosco, o perdão e a vida eterna.
Ao ser pendurado Ele diz: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.” Jesus pede para o pai perdoar essa gente que não sabe o que faz! Jesus não perdeu o foco. Perdão era o que Ele estava promovendo. Para isso Ele morria na cruz, sofrendo o castigo eterno merecido pela humanidade pecadora.
Alguém ali entendeu o Evangelho, pois constatou que aquele que estava ali pendurado entre eles não merecia àquela condenação, alguém muito prestes a morrer, reconheceu em outra pessoa, aparentemente, na mesma condenação e para sofrer a mesma morte de cruz, o seu Salvador, e, fez a oração certa! Admirado de estar morrendo ao lado do Salvador! Qual era o mínimo que ele poderia pedir: “lembra-te de mim quando vieres no teu Reino.” (v. 42).
Como ele poderia acreditar que aquele que estava para morrer voltaria como Rei?
Ele não estava concentrando o seu pensamento nas circunstâncias, ele não perdeu o foco, não olhava para a morte de Jesus, nem para a sua própria morte, e simplesmente confiou.
Desviou o seu pensamento da morte.
Desvie você também o seu pensamento da morte, deixe de pensar negativamente quando as circunstâncias não estão favoráveis, concentre os seus pensamentos na morte e ressurreição de Jesus Cristo, que lhe dá a vida eterna, foi por você que ele morreu e ressuscitou!
Tenha você pensamentos de vida; pense positivamente, confie que as coisas vão melhorar e não importa o quão difíceis estejam, concentre os seus pensamentos na vida que vem da morte e ressurreição de Jesus Cristo, que lhe dá a vida eterna, foi por você que ele morreu e ressuscitou!
Cesse a murmuração, cesse a maledicência, e, celebre a vida, dê o testemunho que aquele criminoso arrependido deu ao seu companheiro de infortúnio. Viver com Jesus e morrer com ele é o nosso privilégio.
Contempla a morte e ressurreição de Jesus Cristo, lembra do perdão dos seus pecados e da salvação e vida eterna que recebeste por graça; peça ao Espírito Santo para tirar dos seus lábios palavras de morte e te dar palavras de vida.
Comunique isto: Que Jesus morreu e ressuscitou para o perdão, para a Salvação e para a Vida Eterna, e, nós também morremos para o pecado, e ressuscitamos com Cristo para Vida Eterna, Receber o perdão e perdoar, receber a Salvação e anunciar a Vida Eterna, faz parte da nossa nova vida em Cristo.

sábado, 12 de novembro de 2011

11 - Martinho Lutero, Reformador, nascido em 1483


Pensei em escrever alguma coisa sobre o aniversário de Martinho Lutero, o qual se estivesse vivo completaria 528 anos. Tão vivo está que estamos falando dele até hoje. De tal coragem de apresentar as suas 95 teses e não renunciá-las diante das autoridades e das hostes papais. Mas, de renunciar privilégios, recusar os subornos dos cardeais. Saiu da sua zona de conforto, deixou de ser como o maldizente que não responde pelo que fala, que se oculta na hora que a batalha está mais aguerrida.
Teve coragem de se ausentar das atividades sociais onde os homens alimentam seus egos doentes e fazem crescer o seu próprio nome com demagogias e bajulações para se dedicar ao que produz transformações profundas e permanentes: a tradução das Escrituras Sagradas para a língua do povo.
Esteve diante de multidões, mas contou com poucos amigos. Casou-se com Catarina e viveu a vida comum do lar, desligando-se das demandas cotidianas, bebeu seu vinho com os filhos e contou-lhes histórias. Manteve-se em vida simples apesar de sua posição. Decorou a sua sala, preservou algumas tradições, compôs e expressou com arte. Reprimiu em si os ímpetos da ira e da contenda e orou fervorosamente para que não se orgulhasse e deixasse de estar, tão somente, dependente de sua graça. Confessou os seus pecados e jamais deixou de reconhecer o quão dependente sempre foi do amor e da misericórdia do Senhor. Foi um homem como podemos ser. Que se submeteu à Palavra e por ela viveu, e o poder da Palavra manifestou-se em sua vida.
Lutero enfatizou a doutrina do sacerdócio universal de todos os crentes. Somos sacerdotes. Alguns de nós se tivéssemos o poder de entregar o mundo ao diabo, não perderíamos tempo para fazê-lo. Apocalipse 20.6 diz: “felizes e abençoadas as pessoas que foram incluídas nessa primeira ressurreição, pois a segunda morte não tem poder sobre elas! Serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele durante mil anos.” (NTLH).
Deus quem toma a iniciativa de incluir, de derrotar o diabo e por Jesus Cristo fazer os crentes da Ásia vencer em meio às perseguições e receberem esta promessa.
Os ressuscitados reinam como sacerdotes, eles são abençoados por Deus que, deu-lhes vida e confiou a história em suas mãos. Aos fiéis esse sacerdócio futuro, é uma promessa prefigurada pelo sacerdócio universal de todos os crentes. O cumprimento parcial da promessa é um sinal e garantia do seu cumprimento no futuro. Evangelizamos, pregamos e acolhemos os perdidos, prenunciamos o sacerdócio real, com uma prática real de sacerdócio, pois real para o Cristão tem dois sentidos, para hoje e para o futuro. A realidade do que não se vê. É por isso que o Apóstolo nos diz em 2 Co 4.18: “não atentando nós nas coisas que se vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas.” (ARA).

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

SABEDORIA: O TEMPO E AS JABUTICABAS


Por RUBEM ALVES*


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.


Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim-de-semana com a proposta de abalar o milênio.


Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que, apesar da idade cronológica, são imaturos.



Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de ‘confrontação' onde ‘tiramos fatos a limpo'. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral.

Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: ‘As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos'. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa!...


Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão-somente andar ao lado do que é justo.


Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.


O essencial faz a vida valer a pena.



* Rubem Alves, é ex-ministro presbiteriano e tem se destacado no campo da pedagogia, da filosofia e da literatura, embora não seja referência em teologia entre os reformados como é em educação tem criticado a vida cotidiana do homem moderno e das instituições com estilo e acertos.







terça-feira, 25 de outubro de 2011

Não sigam os gurus dos desigrejados

O pior inimigo da igreja brasileira hoje é aquele que promove o descrédito da instituição cristã (católica e protestante), criando igrejas de desigrejados que continuam o seu próprio “caminho” sem Igreja, sem a Bíblia, sem o Pastor e sem o Espírito Santo. Os seguidores do guru terapêutico que fala palavrões e acusa os seus oponentes, buscam aconselhamentos que justifiquem o comportamento imoral, a realização da felicidade do prazer sexual, a racionalização do pecado, e, no lugar do arrependimento e da busca de Deus e da santificação se encontra um estado de narcisismo, acusa-se a todos, insulta-se a todos até não sobrar mais ninguém além de nós mesmos, então Deus é nosso, meu prazer toma uma extraordinária importância e a minha saúde psíquica depende de ficar distante insultando os religiosos que nos acusam sem êxito algum à consciência aplacada. 
"E que, dentre vós mesmos, se levantarão homens falando coisa pervertidas para arrastar os discípulos atrás deles." (At 20.30) A Igreja até a volta do Senhor terá por onde ser acusada e perseguida, porque perfeito é Jesus, mas os inimigos da cruz se levantarão vindos de fora (perseguirão, levarão a tribunais, ferirão e matarão os irmãos)  e saindo de dentro dela, falando coisas pervertidas arrastarão os discípulos atras deles (dividirão e enfraquecerão a Igreja Local em diversos lugares). Sair da igreja não vai ajudá-la, pertencer a uma entidade que de si, diz, não ser igreja (e realmente não é, pois Jesus edificou a sua Igreja), não ajudará a Igreja, muito pelo contrário. 
Se alguém labora no erro a melhor forma de ensinar ainda é fazer o que é certo, e, ainda assim, perfeito é o Senhor. Estaremos sujeitos às críticas, mas, uns dos outros em unidade, não nos esquecendo as palavras do apóstolo: "Esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vinculo da paz. há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos." (Ef 4.3-6).      
A Igreja será preservada por Cristo (o Caminho, a Verdade e a Vida) e é Una sob a mesma confissão do Evangelho; Católica, isto é, universal, por toda a terra e no céu; Santa, pois separada para Deus; Apostólica, isto é, tem governo, doutrina e liturgia (revelada/instituída aos/pelos apóstolos), pois está edificada sob o fundamento dos apóstolos, depois de tanto tempo sofrendo a apostasia medieval é Reformada e estará sempre se reformando. Faça parte desta obra. 





segunda-feira, 3 de outubro de 2011

A CRUZ CÉLTICA COM UMA COROA DE ESPINHOS


"Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos." (2° Timóteo 3.12)

Sobre este símbolo: Trata-se da cruz céltica, símbolo do cristianismo antigo nas ilhas britânicas, do Reino Unido da antiga Inglaterra, chamada Escócia, onde surgiu o presbiterianismo, cujo reformador responsável foi John Knox. Tive a ideia de adicionar a coroa de espinhos, símbolo dos sofrimentos de Cristo, dos quais somos participantes, tanto dos benefícios da sua morte e ressurreição quanto também, símbolo da minha consciência e vivência do Evangelho que, "Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos." (2Tm 3.12) (Designer: Maraisa Matana). 

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

O PIONEIRO DO PRESBITERIANISMO NAS TERRAS DE DRACENA NO ANO DE 1943


O Rev. Oscar Chaves nasceu em Patrocínio, Minas Gerais, em 11 de Outubro de 1912, filho de Carlos Gonçalves Chaves e Alvina Jacintha de Oliveira Chaves. 

Nasceu em um lar católico e se converteu após estudar sobre o catolicismo e o espiritismo a partir da leitura das obras do Rev. Alvaro Reis, Cartas a um Doutor Espírita e Mimetismo Católico (o segundo é uma discussão entre o Rev. Álvaro Reis, pastor presbiteriano e o Dr. Carlos de Laet, grande líder católico). 

Mas, ainda não era "crente" e tinha vergonha de entrar na Igreja Evangélica. Só no final de 1932 se converteu. Em 1º de Janeiro de 1933, fez sua profissão de fé na Igreja Presbiteriana, com o Rev. Dr. Eduardo Lane.

Naquele mesmo ano manifestou sua vocação para o Santo Ministério; desejava ir para o seminário em São Paulo, mas, seu pastor, Dr. Lane, viu, porém, que ele estava muito "verde" e o fez esperar um ano. 

Em Fevereiro de 1934 foi para o Curso Universitário "José Manuel da Conceição", em Jandira, onde estudou durante cinco anos. Lá se formou em 1938, indo então para o Seminário de Campinas, onde concluiu o curso teológico em 1941. 

O Rev. Oscar Chaves se destacou como teólogo e também como poeta. Foi licenciado pregador do Evangelho em 26 de Janeiro de 1942 (segunda-feira), pelo então Presbitério de São Paulo, na Congregação Presbiterial "Betânia", em Pinheiros, sob o pastorado do Rev. Avelino Boamorte. 

Oscar Chaves pregou o seu sermão de prova, versou sobre João 18:36: "O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos para que eu não fosse entregue aos Judeus. Mas agora o meu reino não é daqui".

Licenciado, foi enviado pela West Brazil Mission como missionário em Paracatu-MG, sendo o primeiro obreiro a residir naquela antiga cidade mineira. De Paracatu veio para Campinas, em Julho de 1942, para se casar, no dia 3, com Edith de Campos, a senhora Edith voltou com o Rev. Oscar para Paracatu, depois das núpcias; viveram inseparáveis sob a benção do matrimonio até o fim de sua vida.

No fim de 1942 o Rev. Oscar foi convidado para ser missionário da Junta de Missões Nacionais, aceitando o convite, foi ordenado para o ministério pelo Presbitério de São Paulo, no dia 31 de Janeiro de 1943 (domingo, à noite), no templo da Igreja Cristã Reformada da Lapa, em São Paulo. 

Com o Rev. Oscar Chaves foram ordenados Wilson de Castro Ferreira e Domício Pereira de Matos. Estavam presentes no culto os Reverendos William Kerr, Avelino Boamorte, Mario Cerqueira Leite, Amantino Vassão, Miguel Rizzo (orador), Paulo Pernassetti, Júlio C. Nogueira, Jorge César Mota e o pastor da Igreja Cristã Reformada. Oficiaram como ministros assistentes os Reverendos Zaqueu de Melo e Moisés Aguiar. Seu sermão de ordenação versou sobre Filipenses 1:21: "Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho". A primeira parte desse versículo é, em grego, o moto do Instituto JMC (José Manoel da Conceição).

Ordenado, foi então enviado para Lucélia, na Alta Paulista, onde fundou o trabalho presbiteriano, que nasceu em sua casa, na sala de visitas. Ficou ali dois anos deixando um terreno próprio para a Igreja, um grande salão construído e uma Escola Dominical com 127 alunos. 

Em Lucélia nasceu o seu primogênito, em Setembro de 1943 (O Rev. Oscar Chaves Faleceu em 5 de março de 1991 e sua biografia está publicada na internet no site de seu filho Eduardo Oscar).

Era de Lucélia que o Rev. Oscar visitava os irmãos na Fé Reformada, presbiterianos que aqui residiam, bem como nestas localidades de Adamantina até ao Rio Paraná. O Rev. Oscar empreendeu os primeiros esforços para aqui constituir uma Igreja Presbiteriana do Brasil, conforme consta no histórico do Livro I da Igreja Presbiteriana de Dracena.


domingo, 18 de setembro de 2011

Uma Igreja Reformada: identidade e história

Antes de falarmos que a Igreja Presbiteriana de Dracena é Reformada enfatizamos que, ela é autêntica. Porque autenticidade é mais importante do que identidade, o que é muito mais importante do que imagem (marketing). Muitas igrejas e seus membros perderam os seus nomes (sua identidade) e não sabem quem são e a quem servem e o que podem pensar de si mesmos e de Deus. Passaram a expressar na sociedade e na mídia uma imagem falsa de alegria e de saúde, para suprir as necessidades humanas de coisas com valor de signo ou de natureza emocional, mas sem qualquer relação com a verdadeira espiritualidade ou com a realidade, o que é realmente necessário. Essa falsidade e engano experimentados no ambiente religioso são o reflexo e conseqüência de perdas de sentido e propósitos, perdas de um nome, de uma história e de uma identidade.

Uma igreja sem autenticidade é um povo sem nome, sem passado e sem história que, segue sem futuro o seu próprio caminho; os seus membros seguem um ícone criado por suas próprias paixões, ela se traveste para se tornar atraente e desejável, como um produto de prateleira no mercado do sistema religioso que seduz, explora financeiramente e cega espiritualmente.

No artigo anterior apresentamos uma igreja autêntica e reformada, estamos falando da única e verdadeira igreja de Jesus Cristo que retornou à verdade das Escrituras historicamente na Reforma Protestante no século XVI, da qual, nossa igreja é herdeira em Dracena. É a Igreja preservada, espalhada e sustentada por todo o globo terrestre, e também parte da Igreja Presbiteriana do Brasil – IPB – implantada em 1859 por ocasião da chegada do missionário americano Ashbel Green Simonton e integra a comunidade internacional de igrejas originárias da Reforma Protestante que foi deflagrada na Alemanha por Martin Luther (Lutero) no dia 31 de outubro de 1517 e do presbiterianismo que surgiu na Escócia sob a liderança de John Knox em 1533. Sua teologia foi organizada pela mente mais inteligente do final do período da Renascença e início do Iluminismo, cuja influência está presente em todas as igrejas reformadas e na sociedade européia e americana, o erudito filósofo, humanista, com formação em Direito, Letras e Teologia, estadista e pastor de Genebra, na Suíça, John Calvin (Calvino). Rege-se pela Constituição Interna, Código de Disciplina e Princípios de Liturgia da IPB. Portanto, é bíblica na sua pregação, celebração dos sacramentos e na prática da disciplina; fervorosa na oração e racional na adoração; relevante na cidade onde está estabelecida desde 1959; na “Cidade Milagre”, Dracena – São Paulo.

É Reformada, ou seja, aceita a identidade com a Reforma da Igreja ocorrida no Século XVI, aceita como bíblicos os ensinamentos dos reformadores e adota o moto da Reforma: “Ecclesia Reformata et Semper Reformanda Est” (igreja reformada sempre se reformando) e suas marcas: “Sola Scriptura, Sola Fides, Solus Christus, Sola Gratia, Soli Deo Gloria”.

A Igreja Presbiteriana de Dracena aceita o desafio de tornar vivas para a sua geração e para as novas gerações, as mesmas verdades bíblicas resgatadas pelos reformadores em seu próprio tempo, exercendo um serviço fiel, arrojado, dinâmico e impactante, sem aceitar doutrinas e métodos que firam os ensinos da Escritura, os padrões de fé da IPB, seus Princípios de Liturgia, sua eclesiologia, e as decisões do Supremo Concílio da Igreja Presbiteriana do Brasil.

Uma Igreja Autêntica


É Autêntica, porque ensina o conhecimento de si mesmo, o reconhecimento da condição em que se encontram todos os seres humanos, mesmo os eleitos, logo, assume “quem é o homem” (Sl 8.4) e estimula uma noção verdadeira de “quem é Deus” (Jo 4.24), este conhecimento de Deus e de nós mesmo é necessário para o culto autêntico em espírito e em verdade e uma vida sem hipocrisia, refletindo a Aliança da Graça pela qual o Deus Misericordioso e boníssimo recebe e abençoa homens pecadores pela mediação do Senhor Jesus Cristo (Jo 4.22-24). Não tem a arrogância de ser a exclusiva propriedade de Cristo, nem de ser a proprietária de Deus e dos meios de graça. É autêntica na adoração: não apenas sincera, mas também bíblica, a partir da doutrina correta de Deus e do homem. O sentimento de que todos os homens são igualmente pecadores (Rm 3.23) e carentes da graça e misericórdia de Deus nos une em amor e pastoreio mútuo (Gl 6.2; I Pe 4.10). Quanto à autenticidade desta igreja é importante destacar as motivações de seu surgimento, como fruto do labor missionário e tendo em vista unicamente a glória do Único Deus Verdadeiro e Digno, diante do cumprimento de profecias do surgimento de falsos profetas e proliferação de falsas doutrinas. Quanto ao seu futuro, será preservada pelo seu Senhor em sua missão e natureza até a volta do senhor Jesus Cristo em sua Glória.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

“Um sonho não pode durar mais que uma noite”

Quem não quer viver uma vida tranqüila? Quem não quer a tranqüilidade de um saldo positivo bem alto na conta bancária? As contas pagas, a casa confortável, os filhos e filhas saudáveis? Um cônjuge saudável, satisfeito, em boa forma em um lar em plena harmonia e paz? Quem não quer ter bom nome, fama e popularidade na sociedade? Quem não quer os negócios sempre bem sucedidos ou um emprego bom, com um bom salário e muitos benefícios? Quem não quer uma igreja pastoreada por um líder, dedicado, inteligente e dinâmico, cheia de alegria, com eventos emocionantes e comunhão em paz, sem conflitos internos ou perseguições externas, sem dificuldades de relacionamentos, sem casos de disciplina ou discussões sobre doutrina, trabalhos e questões administrativas?

Nossos antepassados sonhavam e nós também. Porém, tornamo-nos muito mais exigentes que nossos avós. E, para realizar nossos desejos precisamos trabalhar muito mais e ”dos muitos trabalhos vem os sonhos” (Ec. 5.3a) e “na multidão dos sonhos há vaidade” (Ec. 5.7a). Os casamentos no passado sobreviveriam mesmo que sua qualidade não fosse muito boa; hoje, casais que vivem um casamento de baixa qualidade, estão muito mais suscetíveis ao adultério e ao divórcio. A ânsia por ganhar dinheiro e a falta de convivência com o Senhor, mesmo entre aqueles que se consideram cristãos, levam-nos a desejar alguma vantagem ou a embolsar algum tipo de ganho ilícito. Como a gana de levar sempre alguma vantagem leva as pessoas a adquirir algum produto pirata.

As seitas e as religiões de massa, motivadas pelo mesmo espírito que opera no homem pós-moderno, negociaram princípios essenciais da fé e da ética cristã, para satisfazer um número crescente de adeptos consumidores de produtos falsificados, gente em busca de uma religião pirata, de vantagem a qualquer custo. Essas “igrejas” corromperam a mensagem do Evangelho distorcendo a Bíblia para assegurar os seus lucros, a dominação e o poder, manipulando as emoções, os vícios e paixões carnais das pessoas para alcançar seus objetivos de proliferar, explorar e perpetuar a exploração e a dominação.

Assistindo o canal TV Cultura ao programa “Provocações” dia 13/09/2011, ouvi a estória “Um sonho não pode dura mais que uma noite”: Conta-se que um homem começou a sonhar com uma nebulosa e ficou curioso e a cada noite que dormia via no sonho esta nebulosa tomar uma nova forma; fascinado, a cada dia, saia correndo do trabalho para dormir e continuar aquele sonho, até a nébula virar uma personagem, o sonhador foi deixando o hábito de sair de casa à noite para dormir cedo e sonhar para desvendar o que via no sonho, aos poucos foi deixando de viver a realidade para dormir e interagir com o sonho, a ponto de pedir demissão do emprego para dormir mais cedo e sonhar, até que foi desafiado pela personagem do sonho a descobrir a realidade. Acordando do sono foi em busca da realidade e descobriu que ele não passava de um sonho de outra pessoa.

Quem é você? Quais são suas prioridades? Você tem tempo para participar da vida da igreja? Para ouvir a Palavra de Deus? Você tem tempo para a família? Ou, você tem sonhado muito e precisa de horas extras para ter mais lucros e realizar os seus sonhos? A quem você serve? Será que o sonho que você abraçou não se trata do sonho de seu pastor ou de seu empregador? Será que os seus negócios não absorveram sua alma? Você só pensa em chegar a sua casa, comer e dormir para recomeçar “o sonho” do dia seguinte?

Você é o administrador ao qual Deus confia o tempo, os dons e os talentos, os quais, ele mesmo, nos concedeu. Você administra bem tudo o que recebeu?

Realizar os seus sonhos e viver uma vida tranqüila não é um erro, mas a busca pela realização dos sonhos e da tranqüilidade não pode acontecer a qualquer preço, foi por isso que Cristo disse: “não podeis servir a Deus e também ao dinheiro” (Lucas 16.13). Qual é a sua prioridade? Faça uma boa escolha. Caso já tenha feito uma má escolha, volte atrás e recomece.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

sábado, 10 de setembro de 2011

A culpa é de quem?

Você já recebeu uma notificação de autuação: excesso de velocidade? Ficou irritado? Mas e daí? A culpa é sua e de mais ninguém e você precisa assumir as conseqüências.

O mundo está passando por uma crise econômica. Será que entramos nessa por acaso? Ou, é fruto de imprudência e falta de planejamento nosso? Certamente, grandes empresários e banqueiros deram passos maiores que as pernas.

Nos detalhes simples e nos mais complexos da vida, no cuidado ao dirigir e na administração os seguidores de Cristo, os eleitos que foram livres da condenação do pecado, precisam viver com prudência e obedecer à Palavra de Deus. Só assim poderão contar com a proteção e o cuidado do Pai.

Os discípulos de Jesus sabem que enfrentarão dificuldade sempre. Mas não abandonam o barco, nem se acovardam ou se desesperam, somente quando estão cientes das promessas e da esperança de que estão no rumo certo e chegarão ao alvo mais precioso.

Os discípulos planejam seus passos, renunciam o que for preciso e buscam o equilíbrio em favor do reino de Deus, orientados pela sabedoria do alto e não a do mundo.

Alguns princípios, simples e essenciais, para nossa vida e nosso trabalho na igreja, a partir Lucas 14.33(Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo quanto tem não pode ser meu discípulo.), devem nortear nossa visão: é mais importante ser do que ter! Quem inclui Deus no projeto de vida age com prudência! Uma motivação errada anula o ato praticado! Autenticidade é melhor do que imagem! Pense de si e de Deus corretamente, de acordo com a Bíblia!

Diante das correntes que ameaçam a fé Cristã, as quais encontram força nos meios de comunicação para minar as nossas consciências, requer de nós que, sejamos mais vigilantes. Seguir a Cristo implica ser mais cautelosos.

Jesus exige de nós amor e obediência absolutos. Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida Eterna, isto é, só Ele pode dar a vida eterna. Vale à pena segui-lo, pois ele morreu por nós na cruz. Somos gratos pelo seu gesto de amor, pedimos perdão pelas vezes que o desobedecemos e ajuda para não cairmos mais em tentações.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Uma Igreja Autêntica: autenticidade importa mais que imagem

A IGREJA PRESBITERIANA DE DRACENA, situada na Av. Rui Barbosa, 1207, Dracena-SP. É Autentica, porque ensina o conhecimento de si mesmo, o reconhecimento da condição em que se encontram todos os seres humanos, mesmo os eleitos, logo, assume “quem é o homem” (Sl 8.4) e estimula uma noção verdadeira de “quem é Deus” (Jo 4.24), este conhecimento de Deus e de nós mesmo é necessário para o culto autentico em espírito e em verdade e uma vida sem hipocrisia, refletindo a Aliança da Graça pela qual o Deus Misericordioso e boníssimo recebe e abençoa homens pecadores pela mediação do Senhor Jesus Cristo (Jo 4.22-24). Não tem a arrogância de ser a exclusiva propriedade de Cristo, nem de ser a proprietária de Deus e dos meios de graça. É autentica na adoração: não apenas sincera, mas também bíblica, a partir da doutrina correta de Deus e do homem. O sentimento de que todos os homens são igualmente pecadores (Rm 3.23) e carentes da graça e misericórdia de Deus nos une em amor e pastoreio mútuo (Gl 6.2; I Pe 4.10). Quanto à autenticidade desta igreja é importante destacar as motivações de seu surgimento, como fruto do labor missionário e tendo em vista unicamente a glória do Único Deus Verdadeiro e Digno, diante do cumprimento de profecias do surgimento de falsos profetas e proliferação de falsas doutrinas. Quanto ao seu futuro, será preservada pelo seu Senhor em sua missão e natureza até a volta do senhor Jesus Cristo em sua Glória.

sábado, 3 de setembro de 2011

POR OCASIÃO DA SEMANA DA PÁTRIA: A COMEÇAR EM MIM.

BrasilSemana da pátria. Não só oportunidade de lazer em feriado nacional, mas oportunidade de reflexão sobre o futuro da pátria. 

Proponho uma reflexão que cabe aos governantes e a todos os cidadãos. Por exemplo:

1. Do desempenho dos políticos e das questões relativas à justiça social. Eu pergunto: o que você tem feito? O texto bíblico de Zacarias 7.9 mostra aquilo que Deus espera de nós: “Sejam honestos e corretos e tratem uns aos outros com bondade e compaixão”; uma declaração dos deveres humanos em 4 artigos: 1) seja honesto; 2) seja bondoso; 3) não explore os outros; e 4) não planeje o mau contra o próximo. Quatro regras básicas. Acrescento uma reflexão a respeito da justiça social aqui neste mundo: ela nunca será plena e perfeita. Não acontecerá de repente, no dia em que toda humanidade resolver fazer o bem, mas, quando cada um de nós tomarmos uma decisão pessoal.

2. Do desempenho dos cidadãos e das questões relativas à justiça social. A justiça precisa acontecer dia-a-dia. Ela é um processo, está sempre em construção. E, ela começa por você. Cada um de nós obedecendo aos quatro artigos e regras básicas da honestidade, bondade, generosidade e boa vontade para com o próximo. 

Suas ações diárias podem fazer uma sociedade melhor. Jesus é o grande exemplo; Ele praticou o bem e ensinou as pessoas a fazerem o mesmo. Não liderou nenhuma rebelião, revolução, ou conspiração para acabar com as injustiças do sistema da época. Aliás, Ele começou uma grande revolução, sim. A revolução do AMOR.

Engajamos-nos nessa grande revolução demonstrando o grande amor de Deus; com atitudes e palavras anunciando o amor de Deus ao morrer na cruz por todos nós. Jesus deu o exemplo de uma vida pautada pelo amor. Assim Jesus começou um grande movimento que continua até hoje. A transformação da sociedade começa por nós. Com o amor de Jesus, nós podemos fazer muito, muito mais do que imaginamos. 

Somos tão exigentes em relação aos deveres dos outros e tão negligentes em relação aos nossos, por isso devemos orar: Perdoa-nos e ajuda-nos a mudarmos nossas atitudes para, então, transformarmos a sociedade conforme a perfeita Palavra que anunciamos. Amor é atitude mais do que emoção e palavra.

(Anatote Lopes, IPB, 2011)



sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A religião dos Sofás e dos sonhos

 (da Web, MP´s, CD´s e DVD´s).

A Bíblia é um maravilhoso presente de Deus pelo qual Deus fala conosco.

Muitas vezes nós queremos ouvir a voz de Deus, e, naturalmente, preferimos os meios mais cômodos, tais como: ficar confortavelmente assentados à frente da TV, ouvir as pregações gravadas em CD enquanto dirigirmos, ouvir despercebidamente o rádio e assistir o pregador mais eloqüente no discurso e badalado na mídia.

Eu digo, com toda convicção que os crentes que buscam desta forma um meio de edificação estão perdendo tempo e piorando seu estado.

Os programas evangelísticos na TV são para captar membros/clientes para igrejas/empresas de uma religião de mercado, e, felizmente, ainda assim, servem para apresentar a salvação em Cristo para aqueles que ainda não O conhecem, mas, não alimenta espiritualmente os que já são crentes, antes promovem muitas dúvidas, confusões mentais e emocionais, heresias e exploração financeira.

Não é de hoje que o homem tem preferência pelos meios mais cômodos. Vejamos que em tempos passados Deus falou com algumas pessoas através de sonhos, mas não era tão comum. Antes, aconteceu poucas vezes em momentos especiais. No tempo do profeta Jeremias falsos profetas falavam mentiras, afirmando que era mensagem de Deus revelada através de sonhos.

Muito cuidado com isso! O que Deus disse? – “O profeta que teve um sonho devia contá-lo como um simples sonho. Mas o profeta que ouviu a minha mensagem devia anunciá-la fielmente” (Jeremias 23.28).

Sonhar é normal e saudável para a vida emocional das pessoas. Seria maravilhoso se Deus falasse conosco através de sonho. Mas, Deus não escolheu falar conosco enquanto nos reconfortamos em nosso sofá e dormimos nosso sono; Ele se comunica de forma clara e lúcida enquanto estamos dispostos para a sua obra, acordados, lendo e ouvindo e estudando textos bíblicos. A Bíblia é um maravilhoso presente de Deus pelo qual Deus fala conosco. De tudo o que ele diz o mais importante é a mensagem do amor: Todo aquele que se arrepende de seus pecados e crê no Senhor Jesus está perdoado. Isto significa que Deus ama a todos os pecadores. Ele os aceita mediante a fé em seu filho Jesus Cristo e concede perdão, paz, salvação e vida eterna.



Rev. Anatote Lopes

Pastor da Igreja Presbiteriana de Dracena-SP





sábado, 13 de agosto de 2011

A MAIS IMPORTANTE ESCOLHA DA SUA VIDA

Você já tomou uma decisão importante para o seu futuro? É difícil decidir quando não se tem certeza dos resultados. Nem sempre é fácil manter a ética no emprego quando se corre o risco de ser demitido, pode ser doloroso envolver-se numa atividade diaconal da igreja e ter que sacrificar tempo e investir algum dinheiro; parece complicado abandonar amizades mundanas e passar mais tempo entre os irmãos em Cristo, relutamos em dar um bom testemunho e para não parecer um careta ou um cristão ignorante.

Tomar uma decisão não é fácil! Sempre acarreta riscos, nunca sabemos quais serão as conseqüências.

Quantas vezes nos arrependemos de ter seguido este ou aquele caminho, e, quase sempre não significa dúvida de ter feito a coisa certa, mas, é a certeza de que não levamos vantagem. Dizem que levar vantagem é algo de que gostam os brasileiros.

Sejam quais forem nossas decisões, sempre incluirão fé e confiança em Deus. A fé nos leva a não medir esforços, não se importar com a opinião dos outros e dormir o sono do justo (Sl 3.5; 4.8).

Abraão creu em Deus, o Senhor, e por isso o Senhor o aceitou (Gn 15.1-6). Ele passou pela experiência de fé, abriu mão de muitas coisas, enfrentou dificuldades, insegurança e medo, mas o Senhor dirigiu-lhe uma palavra de fortalecimento: “não tenha medo” e “eu o protegerei” (Gn 15.1).

Ao fazermos com fé a escolha certa, se tivermos que enfrentar problemas e prejuízos, perder amizades e sofrer perseguições, não temeremos, pois fizemos a escolha certa. Deus está conosco!

quinta-feira, 28 de julho de 2011

VOCÊ TEM SEDE DE QUÊ?

Nosso país é tão grande, e ao mesmo tempo em que regiões brasileiras passem por um período de seca outras podem estar passando por um período chuvoso.

A falta d’água fazia padecer muito a região central de onde eu venho, até que instalaram um sistema de irrigação. Quando entra no período da estiagem o agricultor recorre à irrigação.

Um deles fez uma experiência: deixou uma carreira de plantação de soja sem irrigar. Quanta diferença! A parte onde havia água suficiente desenvolveu-se a olhos vistos. A outra ficou estagnada.

Como é bom beber um copo d’água geladinho quando estamos sedentos! Matar a sede...

Estou me referindo à outra “sede” a que Jesus apresenta (Jo 7.37) que, vai além da física: sede de amor, de justiça e de paz entre as pessoas. Quantos vivem injustiça, desamor, discórdia, guerra, violência, contenda... Estão sedentos, não estarão satisfeitos até que atendam o convite de Jesus: “venha a mim e beba”.

Jesus é a fonte do amor, da bondade e da misericórdia. Bebam, saciem-se!

Filhos e filhas de Deus que são guiados pelo Espírito Santo fazem a diferença aparecer nos lugares onde vivem. Manifestam o fruto do Espírito Santo por onde passam: amor, alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade, domínio próprio e justiça (Gálatas 5.22).

Renovamos-nos como a terra irrigada quando nos banhamos do amor de Deus. Que vivenciemos o fruto do Espírito Santo.

terça-feira, 26 de julho de 2011

VOCÊ TEM FOME DE QUÊ?

No livro do profeta Amós, o Senhor denuncia os pecados do povo. Entre eles, destaca a prática de uma religiosidade vazia, sem relacionamento verdadeiro com Deus e com o próximo. A guarda do sábado pelos judeus era uma prática tão hipócrita que eles contavam os minutos para que acabasse logo para eles voltarem aos seus pecados. A vida de fé não se resume ao tempo de duração de um culto. Ela é um caminho (João 14.6), um modo de viver na família, no trabalho, na rua...

A despeito da voz dos profetas e da paciência do Pai, o povo de Israel continuou pecando e, em conseqüência, finalmente, o juízo foi anunciado. O castigo foi o pior de todos: o silêncio de Deus. Israel, que não sentia mais fome e sede de Deus, teria que jejuar, até que voltasse a vontade de comer, beber e de ouvir – chegará o tempo em que “todos terão fome e sede de ouvir a mensagem de Deus, o Senhor” (Amós 8.11c)!

Deus não está surdo nem mudo. Ele ouve as súplicas e transmite-lhe a sua vontade. Se você sente que há incoerência entre o culto no templo e a prática dos cristãos, está na hora de começar por você; transforme sua vida em uma prática do culto, venha estudar a palavra de Deus, alimentar-se dela e, depois a leve para a sua vida diária, seja tão querido e gentil com todos como você é com as pessoas dentro da igreja. Sorria e fale de amor com os salmos e cânticos que você entoa no culto, e pratique a mensagem que você ouve (ou que você prega) no sermão dominical.

quarta-feira, 22 de junho de 2011

SANTÍSSIMA TRINDADE - CREMOS EM UM SÓ DEUS, CRIADOR, SALVADOR E SANTIFICADOR

O Rev. Guilherme é um ministro anglicano octagenário. Eu tive a oportunidade de conversar pessoalmente com ele, ouvir seus sermões algumas vezes, ter alguns momentos de Comunhão e de refeições com ele e outros irmãos no salão social da Catedral da Ressurreição em Brasília.
Tenho sido edificado ao  ler suas mensagens, e, decidi compartilhar esta pérola recém recebida do reverendo, com os meus agradecimentos, e expressar a minha saudade de Brasília, da família e dos amigos, inclusive dos amigos da comunidade anglicana da Catedral em Brasília.


Domingo da Santíssima Trindade – ANO A – Reflexão nº 37




1ªLeitura: (Gênesis 1:1 e 2:3) - O Deus Eterno é o Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis.

2ªLeitura: (II Coríntios 13:11-13) - A graça, o amor e a comunicação do Deus Triuno com todos os que nele crêem.

3ªLeitura: (Mateus 28:16-20) - O batismo em nome da Trindade Augusta e Santa.



CREMOS EM UM SÓ DEUS, CRIADOR, SALVADOR E SANTIFICADOR

Hoje é o primeiro domingo depois de Pentecostes, dia que a Igreja escolheu para lembrar aos cristãos que o Deus em quem nós cremos é a Santíssima Trindade, conforme está expresso nos credos apostólico e niceno, e que essa nossa crença não é oriunda de especulações racionalistas porque homem algum jamais teve e jamais terá a capacidade de conceber, entender e explicar pela própria razão, quem é o Deus Eterno, criador de todas as coisas visíveis e invisíveis (1ª leitura).

Estudos arqueológicos e antropológicos indicam que os povos de todas as épocas e de todas as civilizações têm procurado e investigado a origem de todas as coisas e acreditado na existência de um Ser que as criou.

Os antigos gregos, assim como outros povos, acreditavam na existência de deuses e diziam que entre as coisas existentes primeiro apareceu o Caos, espaço sideral ou céu, que eles chamavam de Ouranos; depois Gea, a terra, que era rodeada por um imenso rio chamado Oceano.

“O sol ainda não esparzia a sua luz, nenhum corpo tinha a forma que devia ter e todos juntos se obstaculavam uns aos outros... Deus colocou cada corpo no lugar que devia ocupar e estabeleceu as leis que formariam a união deles” (Ovídio).

Estes pensamentos estão em conexão com o relato bíblico sobre a criação: “No princípio criou Deus o céu e a terra. A terra, porém, era sem forma e vazia e havia trevas sobre a face do abismo e o Espírito de Deus se movia sobre as águas” (Gênesis 1:1-2).

Os pensamentos e o texto bíblico citados falam apenas sobre as coisas criadas por Deus, “porque todas as coisas foram feitas por Ele e sem Ele nada do que foi feito se fez” (Ev. João 1:3), mas não falam sobre quem Ele é, pois, como já foi dito, nenhuma pessoa humana tem capacidade de explicar quem é o Deus Eterno. Sendo anterior a tudo e a todos, só Ele pode falar de Si mesmo e apresentar-se, e para fazê-lo, escolheu fenômenos da natureza, como o fogo, o vento, os relâmpagos, os trovões, etc.

Quando manifestou-se a Moisés no Monte Horebe, fê-lo em forma de labaredas de fogo, na sarça. Moisés perguntou-lhe: como é o teu nome? E Ele respondeu: “EU SOU O QUE SOU” (Êxodo 3:14), isto é: “Eu sou aquele que era, que é e que há de vir; o Eterno; o Alfa e o Ômega; o Princípio e o Fim” (Apoc. 1:8 e 22:13).

Deus não quis dizer o seu nome a Moisés, mas alguns nomes foram atribuídos a Ele.

Entre os vários nomes dados estão Eloah e Eli, em hebraico, Eloí em aramaico, e Elahh, em caldaico, mas o que inspirava maior respeito e reverência aos judeus era Javé, representado pelo tetragrama YHVH, e pronunciado uma vez por ano somente pelo sacerdote no dia da expiação (Levítico 16:34).

Os povos sempre quiseram ver Deus e por isso muitos fizeram para si imagens dos seus deuses para os cultuar.

O Deus Eterno sempre falou e dialogou com Israel, seu povo, através de pessoas que Ele escolheu para serem seus porta-vozes e prometeu enviar um Messias para o libertar, mas nunca foi visto por ninguém.

“Ninguém jamais viu a Deus mas o Seu unigênito é que o deu a conhecer” (João 1:18)

Deus se tornou conhecido pessoalmente através do seu Filho, Emanuel, que quer dizer: Deus conosco. Jesus disse: “Quem vê a mim vê o Pai” (João 14:9).

“Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas, nestes últimos dias nos falou pelo seu próprio Filho” (Hebr. 1:1-2).

O Filho veio com a missão de cumprir a vontade do Pai e ao terminá-la, antes de voltar ao Pai, soprou sobre os seus discípulos dizendo: “Recebei o Espírito Santo”.

Finalmente, ao enviá-los em missão, concluiu: “Ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo”, isto é: em nome da Santíssima Trindade (3ª leitura).

Os discípulos, depois de serem revestidos de poder do alto, concedidos pelo Espírito Santo no dia de Pentecostes, saíram pelo mundo pregando a mensagem do Evangelho de Cristo e ensinando todas as coisas que Ele ordenou que ensinassem.

Devemos sempre reafirmar a nossa fé naquele que sendo Pai, Filho e Espírito Santo é um só Deus, Criador de todas as coisas, Salvador dos seres humanos e Santificador dos que os seguem.

É muito bom ouvirmos ao fim dos cultos a impetração da bênção feita pelo ministro: “A graça de nosso Senhor Jesus Cristo, o amor do Pai e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós, agora e sempre” (2ª leitura). Ou ainda: “Que a bênção do Deus Onipotente: Pai, Filho e Espírito Santo seja convosco e convosco habite eternamente. AMÉM.



190611 Rev. Guilherme Luz.