Total de visualizações de página

terça-feira, 27 de julho de 2010

O SIGNIFICADO DE "PICA FUMO"



Qual é a origem da expressão: “Pica Fumo”? Acredito que surgiu em 1959... Encontrei esta pista: “Nossos pastores não são como Karl Barth, que faz teologia atrás da fumaça do seu cachimbo. Nossos pastores são homens de ação.” (Livro de Confissões publicado pela missão presbiteriana do Brasil em 1959, nota 14).

A expressão “Pica Fumo” em uso nos seminários por professores e alunos como designativo do aluno que não alcança bom desempenho nas disciplinas do curso teológico, pode ter sua origem ignorada pela maioria dos que já a ouviram.

Eu acredito que, os professores e os alunos de seminários pensam que sabem o que isso quer dizer. “Picar o fumo” no seminário é práxis de professores e alunos, no sentido que se dá hoje; mas qual é o sentido histórico desta expressão e como ela surgiu?

A teologia que se ensina nos seminários do Brasil é importada do protestantismo norte americano, com exceção das obras dos ancestrais europeus, isto é, dos teólogos do passado, da herança da Reforma (Calvino, Lutero, Mellanchton e outros) e do Confessionalismo sob forte influencia puritana.

Embora os presbiterianos adotem a Confissão de Fé de Westminster, escrita na Inglaterra, tem do Seminário de Princeton a sua principal herança; esta instituição de ensino teológico americana até meados do século XX continuava sob rígido controle dos conservadores.

Semeava-se uma séria suspeita dos europeus e de sua teologia, alegando-se que a situação espiritual da Europa era o caos: igrejas frias, sem zelo missionário, sobretudo mundanas, porque os protestantes europeus bebiam e fumavam; dizem que aqueles que leram especialmente Barth, Brunner, e Bultman nos círculos conservadores pagaram caro até a década de 60.

O que isto tem a ver com picar o fumo? Ah sim! diziam-se que Karl Barth fazia teologia no meio da fumaça de seu cachimbo, bem como outros teólogos europeus, e, neste tempo no Brasil os fumantes picavam fumo de rolo para fabricarem os próprios cigarros. Esta tradição de picar fumo de rolo ou de corda ainda pode ser encontrada. Claro, isso no Brasil é um pecado pior que o adultério para a maioria do protestantismo!

Haja vista que, a postura do protestantismo brasileiro e de seus seminários tinham uma linha hiperativista e menos reflexiva, bem como culturalmente contrária ao consumo de tabaco e bebida com álcool, com exceção do luteranismo, a associação era essa, e, também é essa a origem da expressão “picar o fumo” e do designativo “Pica fumo”.

Nos cinco anos que passei em dois seminários protestantes, ninguém me disse o significado desta expressão em uso até os dias de hoje... Mas não parei, continuo vivendo e aprendendo também a picar o fumo direitinho.