Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de junho de 2015

“ONDE ESTÁ ESCRITO QUE TEM QUE SE BATIZAR PARA PODER TOMAR A SANTA CEIA?”


(Comunhão ou Eucaristia)

Por Anatote Lopes

Essa pergunta é parceira de outras: “Onde está escrito que as crianças não podem participar da ceia?” E, “Onde está escrito que tem que ser pastor para celebrar a santa ceia?” Fazer a pergunta da maneira certa exige conhecimento, por isso, as perguntas que se fazem são confusas e exigem respostas claras. É preciso reconhecer a necessidade de quem está perguntando em obter informações sobre os sacramentos do batismo e da ceia do Senhor. Por isso não cabe uma resposta objetiva.

Vamos refazer as perguntas. Quem pode ministrar e participar da Ceia? Será que existe algum fundamento bíblico para uma pessoa que não recebeu o batismo participar da Ceia ou para se proibir a participação das crianças? Existe um mandamento: “não darás a ceia do Senhor aos pequeninos” Ou, “somente adultos batizados podem participar da Ceia”?

Claro que não tem um mandamento assim porque existem princípios positivos e orientações suficientemente claras. Não tem nenhuma necessidade de um mandamento explícito, pois fica evidente nas orientações bíblicas sobre a ceia do Senhor. Não podem participar da ceia do Senhor o não admitido à Igreja como discípulo pelo batismo e nem a criança batizada sem a devida confirmação do seu discernimento pela profissão de fé.

Somente um ministro ordenado pode ser o celebrante da ceia do Senhor; porque o Senhor e Bom Pastor confia o seu rebanho a estes pastores, os quais são chamados, preparados, reconhecidos pela igreja e ordenados para admitir, discipular, supervisionar, disciplinar e ministrar sobre o rebanho com a autoridade recebida de Cristo. (Mt 28.16-20; Ef 4.11; I Ts 5.12.).

A admissão à igreja se faz pelo batismo, quando a pessoa crente é feita discípulo segundo a ordem de Cristo na grande comissão. (Mt 28.19). A orientação bíblica exige o discernimento necessário do discípulo para participar da mesa do Senhor (I Co 11.29), com consciência e memória dos fatos referentes à Cristo, narrados no Evangelho e simbolizados na Ceia (Lc 22.19), o que exclui as crianças. Pensemos: Quem então deve participar? Sendo a resposta: todos os discípulos. Logo, Cristo, na Grande Comissão, ordena que todos os discípulos, os crentes, sejam batizados. Se pelo batismo os discípulos são admitidos à comunhão e a graça invisível simbolizada pelos sinais visíveis do batismo e da ceia do Senhor, logo esta autoridade foi dada à Igreja, depositária destes meios de graça entregues por Cristo ao ministério dos apóstolos na Grande Comissão em Mateus 28.18 a 20.

A Grande Comissão e o Ministério Ordenado são bíblicos e claramente descritos no Novo Testamento, na ordem dos presbíteros conforme consta nos Atos dos Apóstolos e nas Epístolas. Se foram estabelecidas nas Escrituras ao responder a pergunta: não se deve recusar-lhes o batismo para serem feitos discípulos, entendemos a autoridade para batizar, mas se não forem batizados, não podem tomar a ceia, porque pessoas que não foram batizadas, não foram admitidas como novos discípulos e discípulas aos privilégios e deveres da grande comissão e do ministério do evangelho.

“Fazei isso em memória de mim” é obediência, que segue sucessivamente ou após o batismo. Não devem os discípulos recusar o batismo, se de fato são verdadeiros discípulos, e, os discípulos de Cristo são feitos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo segundo a ordem de nosso Senhor. As igrejas que batizam de qualquer jeito e entregam a ceia de qualquer maneira, onde qualquer pessoa distribui cálice e pão não estão celebrando a Ceia do Senhor, mas a sua própria.

Não deve ficar dúvidas, quanto a ser esta a doutrina das Escrituras e não apenas uma regra de homens. Se as nossas "regras" não estivessem corretas e se não fossem uma correta interpretação e aplicação dos textos bíblicos, nos tornaríamos piores do que os incrédulos. Se não entendermos a Bíblia ou se ela não tiver autoridade sobre nós, certamente o problema não estará na Bíblia, mas em nós. Como bem disse Josemar Bessa (pastor reformado): "Não entender nada ao ler a Bíblia é uma acusação sobre você e não sobre a clareza Bíblica."

Se tudo o que eu disse parecer estranho, de repente vai se tornar muito familiar aos leitores do Novo Testamento. E se alguém disser que essa é uma interpretação? Como julgar uma interpretação? Ora! Interpretar todos nós fazemos diante de um texto ou ensino. Uma interpretação é responder para nós mesmos as nossas perguntas diante de uma palavra escrita ou falada. Por exemplo: Quem não pode participar da ceia do Senhor? A Bíblia diz: "quem come e bebe sem discernir o corpo, come e bebe juízo para si"; logo, exige-se do participante discernimento do corpo. De onde se deduz que quem não tem discernimento do corpo não pode tomar a ceia do Senhor? Do texto é claro! Julguemos cada caso por este princípio. Somente os admitidos pelo batismo e membros capazes de discernir o corpo de Cristo, após serem confirmados ou professos pela, e diante da Igreja são admitidos à ceia do Senhor ministrados por um pastor ordenado. Esta interpretação é perfeitamente bíblica, coerente e normativa.