Total de visualizações de página

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

“Um sonho não pode durar mais que uma noite”

Quem não quer viver uma vida tranqüila? Quem não quer a tranqüilidade de um saldo positivo bem alto na conta bancária? As contas pagas, a casa confortável, os filhos e filhas saudáveis? Um cônjuge saudável, satisfeito, em boa forma em um lar em plena harmonia e paz? Quem não quer ter bom nome, fama e popularidade na sociedade? Quem não quer os negócios sempre bem sucedidos ou um emprego bom, com um bom salário e muitos benefícios? Quem não quer uma igreja pastoreada por um líder, dedicado, inteligente e dinâmico, cheia de alegria, com eventos emocionantes e comunhão em paz, sem conflitos internos ou perseguições externas, sem dificuldades de relacionamentos, sem casos de disciplina ou discussões sobre doutrina, trabalhos e questões administrativas?

Nossos antepassados sonhavam e nós também. Porém, tornamo-nos muito mais exigentes que nossos avós. E, para realizar nossos desejos precisamos trabalhar muito mais e ”dos muitos trabalhos vem os sonhos” (Ec. 5.3a) e “na multidão dos sonhos há vaidade” (Ec. 5.7a). Os casamentos no passado sobreviveriam mesmo que sua qualidade não fosse muito boa; hoje, casais que vivem um casamento de baixa qualidade, estão muito mais suscetíveis ao adultério e ao divórcio. A ânsia por ganhar dinheiro e a falta de convivência com o Senhor, mesmo entre aqueles que se consideram cristãos, levam-nos a desejar alguma vantagem ou a embolsar algum tipo de ganho ilícito. Como a gana de levar sempre alguma vantagem leva as pessoas a adquirir algum produto pirata.

As seitas e as religiões de massa, motivadas pelo mesmo espírito que opera no homem pós-moderno, negociaram princípios essenciais da fé e da ética cristã, para satisfazer um número crescente de adeptos consumidores de produtos falsificados, gente em busca de uma religião pirata, de vantagem a qualquer custo. Essas “igrejas” corromperam a mensagem do Evangelho distorcendo a Bíblia para assegurar os seus lucros, a dominação e o poder, manipulando as emoções, os vícios e paixões carnais das pessoas para alcançar seus objetivos de proliferar, explorar e perpetuar a exploração e a dominação.

Assistindo o canal TV Cultura ao programa “Provocações” dia 13/09/2011, ouvi a estória “Um sonho não pode dura mais que uma noite”: Conta-se que um homem começou a sonhar com uma nebulosa e ficou curioso e a cada noite que dormia via no sonho esta nebulosa tomar uma nova forma; fascinado, a cada dia, saia correndo do trabalho para dormir e continuar aquele sonho, até a nébula virar uma personagem, o sonhador foi deixando o hábito de sair de casa à noite para dormir cedo e sonhar para desvendar o que via no sonho, aos poucos foi deixando de viver a realidade para dormir e interagir com o sonho, a ponto de pedir demissão do emprego para dormir mais cedo e sonhar, até que foi desafiado pela personagem do sonho a descobrir a realidade. Acordando do sono foi em busca da realidade e descobriu que ele não passava de um sonho de outra pessoa.

Quem é você? Quais são suas prioridades? Você tem tempo para participar da vida da igreja? Para ouvir a Palavra de Deus? Você tem tempo para a família? Ou, você tem sonhado muito e precisa de horas extras para ter mais lucros e realizar os seus sonhos? A quem você serve? Será que o sonho que você abraçou não se trata do sonho de seu pastor ou de seu empregador? Será que os seus negócios não absorveram sua alma? Você só pensa em chegar a sua casa, comer e dormir para recomeçar “o sonho” do dia seguinte?

Você é o administrador ao qual Deus confia o tempo, os dons e os talentos, os quais, ele mesmo, nos concedeu. Você administra bem tudo o que recebeu?

Realizar os seus sonhos e viver uma vida tranqüila não é um erro, mas a busca pela realização dos sonhos e da tranqüilidade não pode acontecer a qualquer preço, foi por isso que Cristo disse: “não podeis servir a Deus e também ao dinheiro” (Lucas 16.13). Qual é a sua prioridade? Faça uma boa escolha. Caso já tenha feito uma má escolha, volte atrás e recomece.