Total de visualizações de página

quinta-feira, 6 de março de 2014

RESISTÊNCIA PARA A LIBERDADE


Tudo que nos atrai e seduz parece bom, pois não seria tentação se não nos enganasse, se não fosse convincente e prazeroso. A única maneira de discernir o que é a tentação do diabo e o que é a vontade de Deus é o conhecimento da Palavra de Deus.

Podemos crer que o Espírito Santo fala aos nossos corações somente quando a Palavra de Deus fala dentro dos nossos corações, e não os enganos do mundo, da carne e do diabo; por isso, devemos estar sempre munidos deste conhecimento de Deus para não sermos enganados em nossos corações.

Existem muitos enganos como cadeias prendendo os cristãos e fazendo deles servos de satanás; existem as prisões do pecado e da ignorância, bem como do denominacionalismo, do fanatismo, do partidarismo político, filosófico e religioso.

O inimigo conhece nossas fraquezas, ele nos oferece o que mais necessitamos ou desejamos em um determinado tempo para nos seduzir e corromper; por isso, algo que não tem em si imoralidade ou corrupção como comer pão, dependendo das circunstâncias é a nossa queda, como na tentação de Jesus quando o diabo lhe ofereceu pão na hora da fome durante o seu jejum de quarenta dias. (Lucas 4.1-13).

O diabo oferece coisas para serem usufruídas fora do seu tempo, tais como os divertimentos e trabalhos no Dia do Senhor, o sexo antes do casamento, etc., são como as drogas para os dependentes químicos e o ganho ilícito para os gananciosos. Dessa forma ele seduz, ilude, engana e afasta as pessoas de Deus.

O nosso inimigo e tentador mais traiçoeiro e voraz é o nosso próprio desejo e vontade de deleite dos prazeres e de algum tipo de satisfação. Jesus venceu o inimigo, o tentador, pois rejeitou o pão quando esteve com fome, o poder e a glória quando estava em seu estado de humilhação, a tentação da idolatria, mas, no final foi farto e glorificado pelo Pai.

Jesus morreu na cruz, não tendo em vista ser glorificado, pois sabemos que Ele foi glorificado na sua ressurreição, mas ele morreu para recebermos o perdão pela remissão no seu sangue! Ele morreu por nós. Ele morreu em nosso lugar.

Nosso Salvador e Senhor a quem devemos obedecer e adorar, nos fortalece para dizer “não” a tudo que ofenda a Deus e confessar os nossos pecados e receber o perdão divino.

Podemos pedir ao Espírito Santo que nos fortaleça e nos faça sábios para resistir às tentações e livres para experimentar o amor e a presença de Deus em nossas vidas. Mediante a fé, que se expressa pelo arrependimento e pela confissão, recebemos o perdão libertador, o qual nos faz verdadeiramente e plenamente livres e felizes agora e sempre.

Anatote Lopes, Ipd Dracena, 2014