Total de visualizações de página

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

A ESPADA AFIADA

Uma espada afiada não é um instrumento de acalentar ou divertir as pessoas, mas, uma arma de guerra para dar combate a seus inimigos.

A capacidade que a palavra de Deus tem de penetrar, cortar e confrontar a alma é comparada com a lâmina de uma “espada afiada de dois gumes”.

Como está escrito em Hebreus 4.12: “Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração.”.

Uma nova geração de cristãos sentimentalistas buscou na religião aplacar a sua culpa e não confrontar o seu verdadeiro inimigo: o pecado.

A corrupção da pregação fez com que muitos membros de igreja não conhecessem a Palavra de Deus, porém um discurso antropocêntrico, empirista, pragmático e motivacional fabricado pela psicologia e pelo marketing religioso.

Paulo compara a palavra de Deus com uma espada de dois gumes, quando exorta aos fieis que se esforçassem para não caírem na desobediência de seus antepassados que não entraram no descanso do Senhor (Hb 3.11).

O autor sagrado demonstra o poder que a palavra de Deus tem de revelar nossas motivações, confrontando interiormente os pecados ocultos da alma.

O ser humano mascara o que tem no intimo; o que expressa pode parecer bondade e amor, mas, sua intenção é esconder o que realmente está no seu interior. A palavra de Deus nos revela que pecamos com ações, palavras e pensamentos.

A humildade fingida pode esconder o desejo de reconhecimento, aplauso e glória. A esmola pública pode disfarçar a cobiça e a avareza. O moralismo pode ocultar uma mente impura e viciada em pornografia. No entanto, a pregação da Palavra de Deus expõe o que realmente há nos nossos corações. 

A Palavra de Deus penetra a nossa alma e nos revira interiormente. Diante dela não podemos ficar indiferentes. Depois de cortados pela espada afiada e nossas entranhas serem expostas, nos submetemos a uma assepsia da alma, pelo arrependimento e perdão, nascemos para uma nova vida ou caímos mortos na desobediência.

O Senhor Jesus se apresenta como aquele que tem “a espada afiada de dois gumes” que sai da sua boca (Ap 1.16). Quando Jesus fala à igreja menciona o Seu conhecimento do lugar, do que conservam em seus corações e de como se comportam (2.12-17).

Portanto, nos adverte e faz promessa de alimento para a vida eterna e de um nome limpo: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito Santo diz às igrejas: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que recebe.” (Ap 2.17).

Anatote Lopes