Total de visualizações de página

quinta-feira, 17 de julho de 2014

AS DUAS PRAGAS: FARISAÍSMO MODERNO E GRAÇA BARATA

por Anatote Lopes


Há duas pragas dentro da Igreja contrárias à sua natureza, propósito e missão.

A primeira praga de natureza legalista e moralista: O moderno farisaísmo moralista e orgulhoso. Como identificá-lo: é sem a vida verdadeira no Espírito Santo, mas aplicada à religiosidade tradicional; permanece assentada e criticando os que lideram e trabalham; é muito mais fácil identificá-la dentre todas as pragas. Esta praga vê defeito em tudo e aponta os pecados dos outros e se sente perfeita e sem pecado nenhum.

A segunda praga de natureza antinomista e imoral: O liberalismo da graça barata acomodado ao pecado. Como identificá-lo: Demonstra incomodo com a pregação verdadeira do evangelho, aprecia heresias que lhe dá vantagem e tempo para os seus próprios interesses, isto é, de uma religião de prazer e prosperidade sem compromissos, tais como dízimos, atividades da igreja, obediência e submissão à autoridade e ao ensino. Esta praga sempre apresenta desculpas relacionadas à sua aflição, decepção, necessidade, desejo, prazer e vaidades que, não lhe dá disposição ou tempo para o serviço cristão.

Não existem apenas estas duas pragas que comumente tentam destruir a Igreja, mas estas são muito comuns e fáceis de ser identificadas. Elas têm um papel diabólico dentro da igreja: semear contendas, promover divisões, desmoralizar a autoridade e o ensino da Palavra e impedir o avanço da obra de Deus.

Devemos ter o devido cuidado para não confundir o zelo bíblico pelo evangelho a fim de viver de modo frutífero em obediência aos mandamentos de nosso Senhor com o moderno farisaísmo; e, também para não confundir a dependência da graça e do amor de Deus para a nossa salvação e na nossa santificação com o liberalismo da graça barata.

É bom saber que este farisaísmo e liberalismo ainda que flertem com o liberalismo teológico e com o fundamentalismo religioso, podem ser apenas antinomistas e imorais ou legalistas e moralistas apenas na prática e apresentarem um discurso confessional razoável, mas, para ambos o nosso Senhor Jesus Cristo diz: “Este povo honra-me com os lábios, mas o seu coração está longe de mim. E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Mat. 15:8-9). E a isto acrescentou: “Jeitosamente rejeitais o preceito de Deus para guardardes a vossa própria tradição.” (Marcos 7:9).

Não sejamos nenhuma dessas pragas. Sejamos convertidos antes que venha o Jardineiro e arranque cada praga; obedeçamos a Deus para não sermos sufocados pelas pragas.