Total de visualizações de página

terça-feira, 4 de junho de 2013

STATUS QUO: PROFISSIONAIS DO SEXO
























 2 de junho Dia internacional das Prostitutas. Campanha do Governo: Eu sou feliz sendo prostituta. 


O governo recuou. Cancelou a campanha acima. Todo mundo sabe que a prostituição é um pecado e nunca será algo honroso, digno e aprovado pela moralidade e pela Bíblia. Não é possível que as prostitutas estejam acreditando na mentira deste governo hipócrita, pois com a legalização e a regulamentação da profissão de prostitutas elas continuarão correndo os mesmos riscos e ainda serão mais discriminadas com o status quo de profissionais do sexo. 

Uma prostituta pode se passar por uma prestigiada dama, conseguindo um cliente discreto e de boa imagem que a apresente como tal, mas, oferecendo seus serviços de forma legalizada e regulamentada, ainda não vai passar de mais uma prostituta correndo os mesmos riscos e sendo discriminada.

Suponhamos que um homem casado tem uma esposa, a qual dentro dos padrões de beleza é uma modelo, ou, mesmo se ela é uma senhora educada e uma mulher de respeito, de qualquer jeito, trata-se de um homem respeitável ao lado de uma mulher respeitável. Mas, se estiver acompanhado de uma prostituta, ela não vai passar de uma prostituta e ninguém poderá saber, e, ele é um prostituto, e, ambos precisam da ilegalidade e da clandestinidade para o autoengano e engano da sociedade e a legalização e regulamentação não mudará esta condição.

Pode parecer esdrúxula a comparação, mas, compare essa situação: um cidadão passeando numa moto de grande cilindrada, dizendo-se um motociclista, enquanto um entregador montado em um motorzinho de baixa cilindrada é um motoqueiro, de repente o que mudou foi à inclusão da modalidade “aluguel”, isso quer dizer que mesmo não tendo uma grande moto que locuplete o aficionado por motocicleta, ele pode contratar e pilotar uma moto de aluguel e pode até ser uma grande moto alugada que ele alimentará a fantasia de que a possui, mas, se a placa for vermelha ou com outra indicação de moto alugada, e, se tiver que sair com um condutor de colete grafado “moto táxi, o aficionado por moto poderá usufruir da moto alugada, mas não terá uma moto porque não enganará a si mesmo e todo mundo saberá.

O problema é muito mais grave, com consequências mais graves também. Ninguém vai se prostituir porque a prostituição está legalizada como se fosse algo apropriado, porque prostituir não é como andar de moto que, torna-se um transporte alternativo, um hobby ou uma atribuição de status quo. A prostituição é algo assim, tão antigo, e, nunca foi diferente: ninguém quer carimbar o ticket, passar o cartão e deixar um rastro, e, se alguém for visto com uma prostituta e tiver que se apresentar, não dirá que está contratando os serviços dela, mas, vai dissimular, dizer que ela é uma irmã, prima, namorada ou esposa.

A prostituição nasceu nas trevas e precisa dela. Mas, uma prostituta no final da carreira poderá interessar-se pela aposentadoria... Então, este governo nefasto, leva adiante esta ideia, como outras ideias, que surgem do vazio ideológico da esquerda marxista pós falência das utopias sociais do século XVIII. A jogada política é transformar o todo em pequenos pedaços, em grupos de minorias, parcelar em fatias a sociedade para abocanhar aos pedacinhos uma grande fatia do eleitorado, já que os mais pobres já foram comprados e guardados na “bolsa”.


Mas, vai que o pobre saca da bolsa e não vota no candidato? E se as prostitutas não entrarem nessa roubada? A esperteza não encontra limites! Como seria mais difícil tirar as mulheres de tão horrenda condição! Empurradas a isso pela miséria e pela falta de opção. A legalização e a regulamentação da profissão de prostituta, certamente oculta males maiores que saltam aos nossos olhos. 

Em vez de tirar tantas mulheres da degradação... Algo terrível já se instalou! O que hoje é imoral, ilegal e contravenção, amanhã pode estar legalizado e regulamentado. Pensem na liberação das drogas! Profissionais do Tráfico com plano de carreira, boqueiro, aviãozinho, gerente de boca e traficante! Em minha opinião, só vai ficar mais fácil para os corruptos fraudarem o INSS.

Anatote Lopes, IPB, 2013