Total de visualizações de página

sexta-feira, 1 de março de 2013

LIDERANÇA BÍBLICA: Servos Ordenados




Todos os irmãos fazem por ocasião de sua admissão a igreja o voto solene de obedecer às lideranças nela constituídas enquanto estas permanecerem fiéis às Escrituras. O que é perfeitamente bíblico. É coerente com a unidade orgânica do Corpo de Cristo e não significa uma hierarquia entre pastores e bispos, presbíteros e diáconos, mas princípios de amor, ordem, autoridade e submissão.

É uma loucura tirarmos a autoridade daqueles que receberam do Senhor a grande responsabilidade de um encargo tão sério, tornando tão penoso o trabalho destes servos em detrimento de nossa própria consolação, edificação e instrução, com argumentos aparentemente piedosos, mas claramente arrogantes e contrários a Bíblia de que temos um só pastor que é Cristo ou um só guia que é o Espírito Santo.  Além dos textos que nos vêm imediatamente a memória há outros que nos recomendam o governo e o serviço destes servos ordenados. É claro que estão valendo até a volta de Jesus Cristo.

O nosso Senhor distribui dons diversos para mútua edificação e sujeição uns aos outros em amor. Os apóstolos tiveram o ministério fundamental de guias, orientaram a eleição de oficiais e exortaram à submissão as lideranças. Se o dom de pastor-mestre (Ef 4.11) não existisse mais, não teríamos pastores ordenados na igreja e Jesus ressurreto deveria pessoalmente nos governar e ensinar, como não é assim, somos exortados em Hebreus 13.17: “Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.”.

Especialmente aos bispos e ministros da Palavra, ou, aos presbíteros docentes, isto nas igrejas que não tem os três ofícios, são os responsáveis pela orientação da igreja. O Senhor se utiliza de homens cheios do Espírito Santo, a Bíblia diz que eles são nossos “guias”, os quais Deus deu a Igreja com um propósito muito claro. São os que receberam estes dons, como está escrito: “E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do Corpo de Cristo, até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo,” (Ef 4.11, 12).

Pois as Escrituras nos exortam não somente à obediência aos nossos guias como também à imitação da fé que tiveram. O Espírito Santo é nosso guia que ilumina mentes e corações, tanto quanto dá pastores/professores como dons a Igreja, isso significa que nós podemos aprender deles a Lei e os Profetas pelo Mistério Apostólico  nos Evangelhos e Epístolas, as Escrituras Sagradas e pelo ministério de interpretação, ensino e pastoreio pela Palavra (Bíblia) sejamos aperfeiçoados em santidade e preparados para o serviço.

O exame de aferição dos verdadeiros profetas é perfeitamente exemplificado pelos cristãos de Beréia. “Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim.” (Atos 17.11).

Aprendemos com os bereianos o animado interesse destes irmãos pela Palavra e a atenção dedicada aos ensinos; diz o texto que receberam com avidez a Palavra; devemos ser também ávidos por aprender; os cristãos de Beréia eram aplicados nos seus exames do texto; conferiam tudo o que ouviam de Paulo com a Palavra, para aferirem para si, se o que estava sendo exposto era mesmo fiel.

Portanto leiam também Hebreus 13.7, 8: “Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a palavra de Deus; e, considerai atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram. Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre.”... 16 e 17: “Não negligencieis, igualmente, a prática do bem e a mútua cooperação; pois, com tais sacrifícios, Deus se compraz. Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles; pois velam por vossa alma, como quem deve prestar contas, para que façam isto com alegria e não gemendo; porque isto não aproveita a vós outros.”.

E, I Tessalonicenses 5.12-17: “Agora, vos rogamos, irmãos, que acateis com apreço os que trabalham entre vós e os que vos presidem no Senhor e vos admoestam; e que os tenhais com amor em máxima consideração, por causa do trabalho que realizam. Vivei em paz uns com os outros. Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longanimos para com todos. Evitai que alguém retribua a outrem mal por mal; pelo contrário, segui sempre o bem entre vós e para com todos. Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar.”.


Anatote Lopes, 2013