Total de visualizações de página

sexta-feira, 8 de maio de 2015

UM COMPROMISSO RADICAL: PEQUENINOS APROVADOS (Introdução)


Exposição de Lucas 9.43-62, por Anatote Lopes

Neste texto (Lc 9.43-62), Cristo comunica a seus discípulos e a nós o que estava para acontecer: Ele estava para ser entregue nas mãos dos filhos dos homens. Quando Ele se apresenta como FILHO DO HOMEM trata-se de um título messiânico ou do Messias. Assim, Ele seria identificado como o Messias, o Filho de Deus que, estava para ser entregue nas mãos dos homens.

É interessante nos apercebermos, apesar de que Cristo haveria de sofrer, como já havia sofrido desde a sua encarnação, Ele sofreria continuamente em todo o seu ministério terreno; mas, Cristo contemplava o que estava por vir após o Seu sofrimento. Ele haveria de ser assunto ao céu. Mesmo sabendo que estava indo para Jerusalém, à morte, estava determinado a ir e no seu semblante trazia a alegria de todos os peregrinos que iam a Jerusalém para adorar a Deus.

Os samaritanos já estavam acostumados a bloquear a passagem dos judeus pelo seu território na tentativa de impedir que fossem a Jerusalém para adorar, porque entendiam que os fiéis deveriam adorar no templo dos samaritanos; havia uma controversa entre os judeus e os samaritanos quanto ao lugar da verdadeira adoração.

Os samaritanos reconheciam no rosto de Jesus que, Ele tinha um encontro marcado com Deus, mas eles nem imaginavam que Jesus estivesse indo para o seu calvário, porque nesses dias ainda não havia sido revelado o que, e quando, Jesus iria fazer por nós em Jerusalém, apesar de que, já se havia falado muito sobre isso, ainda não havia sido revelado a eles, isto é, eles ainda não podiam compreender.

Eu quero apresentar um esboço rápido para os irmãos do que nós temos a trilhar neste caminho (mensagem); vou fazer isto de forma muito rápida: Que tipo de embaraços Cristo estava interessado em em repreender? Mesmo tendo uma mensagem gloriosa e uma missão salvadora a realizar em Jerusalém, o Senhor Jesus Cristo ainda não revelara nada a Eles, mas, trouxe-lhes repreensões quanto ao orgulho inato do ser humano de sua história, luta e glória, de seus sofrimentos e angustias, e de seus serviços.

Ele nos apresenta uma repreensão contra o orgulho, e, também, vamos perceber uma repreensão contra a intolerância que, vem da arrogância de julgar-se grande coisa e desprezar os outros. Os discípulos neste momento já haviam caminhado com Jesus, viram o Senhor realizar muitos sinais e ficaram orgulhosos de serem discípulos dele. Àqueles que seguiam com Ele.

Nós vamos falar mais sobre este tipo de sentimento que surge no coração daqueles que se acham grande coisa, dos embaraços que o Senhor Jesus repreende nos seus discípulos: os embaraços com a própria casa, com os prazeres da vida, com as suas próprias ambições, necessidades, dinheiro, família e amigos, pessoas que fazem com que percamos de vista a esperança do paraíso, do novo céu, da nova terra e da cidade santa. Muitas vezes até desejamos permanecer neste mundo destinado a destruição.

Enfim, perceberemos a falta de um compromisso radical com Cristo: ‘por a mão no arado e não olhar para trás’, daqueles que se dizem arrependidos e perdoados de seus pecados, e, como isto não somente certifica que apenas estão doentes, desanimados ou debilitados espiritualmente, mas, que, de fato, são reprovados e considerados inaptos para o reino de Deus. (Cont.).